Pub

A nova estrutura resultará da fusão das empresas Ambifaro (agência para o desenvolvimento económico), Mercado e Teatro Municipal de Faro, ficando apenas de fora a Fagar, responsável pela gestão de águas e resíduos.

A medida surge no seguimento da decisão de reduzir o número de administradores remunerados nas empresas farenses com capitais públicos, recentemente anunciada por Macário Correia.

Em declarações à Lusa, o líder da autarquia (PSD), disse prever que com esta medida se poupe “no imediato” aos cofres da Câmara de Faro entre 20 a 30 mil euros, poupança que aumentará nos anos seguintes.

“Podemos ter uma só contabilidade em vez de três e os funcionários podem ter transversalidade na sua atuação em vez de estarem adstritos a uma só entidade”, disse, garantindo que “em princípio não haverá despedimentos”.

Para Macário Correia, a fusão não só permite uma redução de custos como um ganho em termos de eficiência, já que as três empresas são “todas elas deficitárias”, à exceção da Fagar, que é uma empresa equilibrada.

“Não se justifica ter três empresas que têm apenas cerca de 30 funcionários”, concluiu, sublinhando que a autarquia está a resolver uma situação relacionada com o passivo da Ambifaro para avançar com a fusão.

Lusa

Pub