Breves
Inicio | Igreja | Trinta e um adultos pediram à Diocese do Algarve para serem admitidos na Igreja Católica

Trinta e um adultos pediram à Diocese do Algarve para serem admitidos na Igreja Católica

Foto © Samuel Mendonça

Foram 31 os adultos que no passado domingo, o primeiro da Quaresma, pediram à Diocese do Algarve para serem admitidos na Igreja Católica na próxima Páscoa, com a receção dos três sacramentos da iniciação cristã: batismo, confirmação (crisma) e eucaristia.

Foto © Samuel Mendonça

Os adultos, que confirmaram agora a sua intenção de querer ser cristãos, irão celebrar os três sacramentos na vigília pascal das respetivas paróquias e, para isso foram aceites pelo bispo do Algarve, D. Manuel Quintas, depois de propostos pelas paróquias de Albufeira (1), Boliqueime (2), Ferreiras (2), Loulé (2), Olhão (3), Portimão (4), Quarteira (2), Sagres (2), São Pedro de Faro (4), Sé de Faro (4), Tavira (1), Vila Real de Santo (1), e pelos vicariatos da Mexilhoeira da Carregação (1) e do Siroco de Olhão (2).

Foto © Samuel Mendonça

Estes adultos iniciaram uma nova fase do seu catecumenado (preparação para a receção dos sacramentos da iniciação cristã) – a purificação e iluminação, – deixando de ser catecúmenos (designação dos candidatos aos sacramentos da iniciação cristã) para passar a ser eleitos, ou seja, escolhidos.

Foto © Samuel Mendonça

A Igreja tem um percurso próprio para a iniciação cristã dos adultos que começa com um período de pré-catecumenado, com a manifestação do primeiro desejo de ser batizado. Segue-se o tempo de catecumenado, ligado de maneira particular à catequese, ao conhecimento da pessoa de Jesus, da Igreja e das verdades da fé cristã. Este tempo termina com o rito de eleição dos catecúmenos (celebrado no domingo) e a partir desse dia, a preocupação com os adultos já não é de ordem doutrinal, mas de ordem espiritual. São então convidados a uma caminhada mais intensa de ordem interior. Seguidamente à receção dos sacramentos da iniciação cristã, os neófitos (novos filhos) iniciam um período de mistagogia em que são inseridos na vida da Igreja.

Foto © Samuel Mendonça

Dirigindo-se aos candidatos que com ele se reuniram no Seminário de São José, em Faro, D. Manuel Quintas explicou-lhes que a iniciação cristã só fica completa quando se recebe também, para além do batismo, os restantes dois sacramentos. O bispo diocesano garantiu-lhes que a Igreja algarvia acompanha, de maneira entusiasta, esta sua decisão. “Hoje, que nos encontramos, é, de facto, um dia muito significativo”, afirmou, acrescentando que igualmente marcante será o dia 15 do próximo mês de abril, quando na vigília pascal, inseridos nas respetivas comunidades, receberem os três sacramentos da iniciação cristã.

Foto © Samuel Mendonça

O prelado explicou ainda que este ano foi decidido preceder aquele encontro de um (realizado no passado dia 8 de janeiro) para a admissão ao tempo do catecumenado que passará no próximo ano a realizar-se no primeiro sábado da Quaresma para os candidatos que farão a iniciação cristã no ano seguinte.

Foto © Samuel Mendonça

Ao longo do encontro falou sobre o sentido da Páscoa, incluindo o significado e a simbologia do período de preparação que a precede – a Quaresma – e da caminhada de iniciação cristã (catecumenado), recuperada após o Concílio Vaticano II, que explicou ter origem nos primeiros séculos do Cristianismo. No encontro, em que participaram também os cónegos Carlos César Chantre, vigário geral, e José Pedro Martins, vigário episcopal para a Pastoral, e o padre Flávio Martins, responsável pelo Sector da Educação da Fé dos Adultos da Diocese do Algarve, D. Manuel Quintas elucidou sobre o significado do jejum, da esmola e da partilha neste tempo litúrgico.

Foto © Samuel Mendonça

Na celebração, na Sé de Faro, D. Manuel Quintas explicou que Igreja, “antes de mais, são as pessoas”. “Este espaço visível, feito de pedra, significa a Igreja que nós somos pelo batismo, a Igreja de pedras vivas da qual Cristo é pedra angular”, afirmou.

Foto © Samuel Mendonça

“Bem-vindos a este espaço, a nossa igreja-mãe, mas bem-vindos, antes de mais e, sobretudo, a partir da vigília pascal, à Igreja que somos como Igreja de batizados”, prosseguiu, lembrando aos candidatos que o rito que celebrariam a seguir faz parte da derradeira fase na sua entrada na Igreja. “Este rito que vamos celebrar agora é mesmo a ponta-final na vossa entrada como membros, a partir do batismo, desta Igreja que constituímos”, afirmou.

O bispo do Algarve advertiu ainda que a exigência de vida dos cristãos não termina com a iniciação cristã. “Não deveis pensar que, depois de serdes batizados, já não precisais de fazer esforço nenhum, que os defeitos se transformam em virtudes. Temos uma ajuda que nos vem do Espírito Santo, que antes não tínhamos, mas exige esforço nosso”, alertou, referindo-se à “capacidade de não desistir e de confiar sempre na bondade e na misericórdia de Deus” que “dá sempre uma nova oportunidade”.

Foto © Samuel Mendonça

“Toda a diocese vai vibrar convosco e, naturalmente, eu de maneira particular. Toda a diocese vai estar convosco nesta Quaresma, vai acompanhar-vos com a oração e, sobretudo, vamos estar convosco na celebração da vigília pascal porque é um motivo de louvor de alegria e de ação de graças a vossa disposição e disponibilidade para receber os sacramentos da anunciação cristã”, concluiu D. Manuel Quintas.

Foto © Samuel Mendonça

A celebração prosseguiu com os candidatos a inscreveram em livro próprio o seu nome, gesto que confirma a sua vontade em receber os sacramentos da iniciação cristã.

Foto © Samuel Mendonça

Os eleitos irão agora, durante os próximos domingos da Quaresma, celebrar nas suas paróquias os escrutínios e a tradição das entregas das orações do Credo e do Pai-Nosso e, na vigília pascal, a mais importante celebração para os cristãos, completarão a sua iniciação sacramental.

A Quaresma é um período de 40 dias – excetuando os domingos -, marcado por apelos ao jejum, partilha e penitência, que serve de preparação para a Páscoa, a principal festa do calendário dos cristãos.

Verifique também

Bispo do Algarve destacou “sentido de comunhão eclesial” do clero algarvio nas nomeações

O bispo do Algarve destacou na passada quarta-feira o “sentido de comunhão eclesial” do clero …