Pub

A companhia aérea de baixo custo Ryanair acusou ontem o Turismo de Portugal de rejeitar um plano de expansão para o aeroporto de Faro que teria o objetivo de aumentar o tráfego de inverno em 35%.

Entretanto, o Turismo de Portugal garantiu, em comunicado, que não rejeitou um plano de expansão para o aeroporto de Faro, "matéria para a qual não teria sequer competência", acrescentando que rejeitou pagar os valores que a empresa pediu para reforçar a operação no Algarve, uma vez que "os valores pedidos pela Ryanair não eram proporcionais".

A entidade referiu ainda que "a Ryanair já tinha, no passado, proposto a criação de novas rotas e voos para o Algarve, na época de inverno, que depois cancelou apesar dos apoios que estavam disponíveis".

O diretor de comunicação da companhia aérea, Robin Kiely, citado no comunicado da empresa, afirmou que "a proposta da Ryanair para o crescimento adicional em Faro pode trazer novos passageiros, novos empregos e milhões de euros de receitas turísticas para o Algarve durante o inverno", destacando que, no entanto, "o Turismo de Portugal não parece entender a importância deste plano".

Segundo a companhia aérea irlandesa, o plano contemplava a abertura de três rotas de inverno para Colónia, Dortmund e Memmingen, na Alemanha, um aumento dos voos semanais em 35% e um crescimento do número de passageiros em 70 mil, que gerariam 70 novos postos de trabalho.

Lusa

Pub