Pub

Manuel_oliveiraA Universidade do Algarve (UAlg) manifestou hoje “profundo pesar” pela morte do cineasta Manoel de Oliveira e informou que vai decretar três dias de luto académico.

“O reitor da Universidade do Algarve vem, em nome de toda a comunidade académica, manifestar publicamente o mais profundo pesar pelo falecimento do cineasta Manoel de Oliveira. (…) A Instituição solidariza-se com este momento de tristeza, decretando três dias de luto académico”, lê-se em comunicado de imprensa da UAlg.

Manoel de Oliveira recebeu a 15 de janeiro de 2008, ano em que completou 100 anos de idade, o grau de Doutor Honoris Causa pela UAlg.

Na ocasião, Manoel de Oliveira referiu estar “extremamente grato e honrado pelos elogios à sua obra cinematográfica e pelo grau académico dado pela Universidade do Algarve”, afirmando sentir-se “um pequeno português num enorme país que é Portugal”.

Inspirando-se na frase “A alma é um vício”, da escritora Agustina Bessa-Luís e dita por Francisca, personagem do filme homónimo de 1981, Manoel de Oliveira questionou, na cerimónia, se o seu cinema não seria “o vício da minha alma” e respondeu: “Se o foi, foi vício que alimenta a Vida. Para sempre”.

O realizador português Manoel de Oliveira morreu hoje aos 106 anos.

Manuel Cândido Pinto de Oliveira, nascido a 11 de dezembro de 1908, no Porto, era o mais velho realizador do mundo em atividade.

O último filme do cineasta foi a curta-metragem “O velho do Restelo”, “uma reflexão sobre a Humanidade”, estreada em dezembro do ano passado, por ocasião do 106.º aniversário.

Pub