Pub

Para as paróquias constituintes das vigararias de Loulé e de Portimão, as Vias-Sacras decorreram no passado dia 24 de fevereiro, respetivamente em Albufeira e em Lagos, mas as paróquias da vigararia de Tavira organizaram a iniciativa apenas na última sexta-feira (23 de março), em Monte Gordo.

Apesar de destinada a jovens a partir dos 16 anos ou do 10º ano de catequese, a iniciativa, que começou e terminou na igreja paroquial, contou com muitos adultos, num total aproximado de cerca de 130 pessoas, e foi presidida pelo pároco de Tavira, o padre Flávio Martins. Foi ainda participada pelos padres Manuel Chícharo, pároco local e de Castro Marim, e Feliz Pires, pároco de Azinhal, Vila Real de Santo António e Odeleite.

O padre Flávio Martins, que presidiu à celebração, pediu aos participantes na introdução – que incluiu com o visionamento de alguns momentos do filme “A Paixão de Cristo”, de Mel Gibson –, para pensarem na “intensidade do sofrimento e da entrega de Jesus” durante o trajeto. “Foi uma realidade que nos salvou a todos”, destacou, referindo-se à paixão, morte e ressurreição de Jesus.

Após as três horas de duração da Via-Sacra, constituída por 15 estações compostas por diversos momentos simbólicos, por muitos gestos carregados de significado e por uma profunda reflexão do alcance da redenção executada por Cristo, o sacerdote explicou o sentido daquela atividade que percorreu as principais ruas daquela vila piscatória e incluiu também um percurso pela praia.

O padre Flávio Martins lembrou que aquela atividade serviu para os participantes viverem melhor o tempo da Páscoa e convidou os jovens a celebrarem o Tríduo Pascal. “Não faz sentido celebrar e viver a Quaresma se não nos preparamos para celebrar a alegria e a esperança da Páscoa. A nossa vida como cristãos só faz sentido porque Cristo que está vivo e ressuscitado”, evidenciou.

A Via-Sacra consiste em acompanhar espiritualmente o trajeto que Jesus percorreu até à morte e sepultura no Calvário, com momentos de meditação e oração ao longo de 15 estações.

A Quaresma é um período de 40 dias – excetuando os domingos -, marcado por apelos ao jejum, partilha e penitência, que serve de preparação para a Páscoa, a principal festa do calendário dos cristãos.

Também chamada arciprestado ou ouvidoria, a vigararia é uma circunscrição eclesiástica da qual fazem parte várias paróquias ou quase paróquias (vicariatos).

Samuel Mendonça

Pub