Pub

O comandante da PSP de Faro, Vítor Rodrigues, explicou à agência Lusa que depois do dia 20 de dezembro deu ordens para que as seis viaturas do programa Escola Segura do Algarve parassem porque estavam sem seguro.

Contudo, adiantou que “o patrulhamento junto das escolas nunca se deixou de fazer”, acrescentando que os elementos continuaram a trabalhar noutros carros de patrulha.

Como os seguros das viaturas só se estimam adjudicados a uma seguradora em meados de fevereiro, o comandante da PSP de Faro disse que enviou a listagem das viaturas para a direção nacional da PSP para fazer um seguro temporário até o Governo Civil o adjudicar a uma nova empresa.

As viaturas da “Escola Segura” vão começar a circular com um seguro temporário feito e pago pela polícia até meados de fevereiro, informou hoje Vítor Rodrigues.

Por seu lado, a governadora Civil de Faro, Isilda Gomes, disse à Lusa não compreender porque é que as forças de segurança tomaram a decisão de ordenar que as viaturas do programa da "Escola Segura" fossem mandadas parar, recordando que nenhuma viatura da PSP e GNR tem seguro de automóvel.

“Os carros são do Estado e os carros podem circular sem seguro, nós fizémos um seguro porque quisemos, não é obrigatório”, afirmou hoje Isilda Gomes.

“O seguro dos carros da Escola Segura foi feito voluntariamente e facultativamente, não é obrigatório”, esclareceu, acrescentando que as viaturas da Escola Segura são “viaturas policiais identificadas pela PSP e GNR”.

Apesar de não ser obrigatório, Isilda Gomes refere que em novembro passado, o Governo Civil de Faro pediu à central de compras do Estado, “porque são obrigados a adquirir essa prestação de serviços”, que abrisse novo concurso público para pedir novos seguros.

“O processo tem os seus tempos normais de um concurso público e enquanto o processo não termina, o Governo Civil não pode avançar com o pagamento de nenhuma conta”, explicou a governadora.

No Algarve existem 12 viaturas para o exercício do programa “Escola Segura”. Seis foram entregues à PSP pelo Governo Civil e outras seis entregues à GNR.

O comandante da PSP de Faro defendeu, no entanto, que se o Governo Civil de Faro permite que as viaturas da "Escola Segura" circulem sem seguro automóvel, deveria informar por escrito que se responsabiliza pelos danos causados.

Lusa

Pub