Pub

O assistente do Secretariado da Pastoral Familiar da Diocese do Algarve afirmou, na vigília de oração pelas famílias, promovida por aquele serviço na igreja das Ferreiras (concelho de Albufeira), que “ser cristão não é para os fracos, mas para os fortes” e que “entrar no caminho do matrimónio é duplamente para os fortes”. “Para o cristão, ser família não é apenas para os momentos bonitos. Ser família é preciso nos momentos belos mas também nos momentos difíceis da nossa peregrinação”, justificou o sacerdote, lamentando que a sociedade atual aponte “exatamente no sentido oposto”. “Ser cristão é ser santo e sabemos quão difícil é ser santo, como este mundo nos puxa no sentido oposto, como o mais fácil é baixar os braços, voltar costas e desistir”, acrescentou.

O padre Joel Teixeira explicou então o sentido daquela iniciativa promovida, sob o tema “A Santidade em Família”, no contexto da Semana da Vida que se iniciou no passado dia 13 deste mês que hoje termina. “O que nos une e congrega é esta busca da santidade, a vocação primeira e principal de um cristão. Queremos agradecer a Deus pela família que somos, enquanto cristãos, e apelar a Deus que nos ajude a caminhar para a santidade para estarmos unidos neste amor que Deus tem por nós”, esclareceu.

O sacerdote lamentou o esquecimento da família, considerando-a um “milagre não só para a Igreja, mas para a sociedade”. “Sem família não há sociedade. Temos de começar a valorizar este dom. Muitas vezes falamos da importância da família e recordamos que sem família não há Igreja e depois esquecemo-nos de rezar por elas, por aquelas que temos e de mostrar quão importante são as famílias para a Igreja”, criticou.

Lembrando às famílias que “sem amor e sem Deus não é possível ser feliz”, o padre Joel Teixeira pediu-lhes ainda uma terceira dimensão: o perdão. “Uma família é um meio onde o perdão se torna presente. O perdão é uma das maiores manifestações do amor de Deus. Porque amo, sou convidado a perdoar. Quando somos capazes de perdoar não há experiência melhor”, sustentou.

A terminar a homilia, o sacerdote pediu ainda às famílias que ajudem a “construir o paraíso aqui na terra”. “Se procurarmos Deus-amor na nossa família, que se expressa no perdão e na procura da santidade de vida, acreditemos que este mundo poderá ser muito melhor. Isto não está nas mãos dos governantes. Está nas nossas mãos começar a construir o paraíso aqui na terra, a partir da nossa casa”, exortou.

A celebração, participada por cerca de 85 pessoas, ficaria marcada também pela entrega de uma vela às várias famílias presentes. “Essa vela ganhará lume quando as coisas não estiverem bem entre os cônjuges. Que aquele que se sinta magoado acenda a vela, sendo um sinal para o outro que saberá que terá de lhe pedir perdão”, explicou o padre Joel Teixeira.

A noite de oração foi ainda constituída por outros momentos simbólicos. À chegada, os participantes foram acolhidos com a entrega da vela e o convite a protagonizarem um gesto de purificação, lavando as mãos numa bacia. Foi-lhes ainda pedido que completassem a frase “a Família é…”.

A celebração, animada pelo grupo de jovens “Génesis” das paróquias de Raposeira, Sagres e Vila do Bispo de que é pároco o padre Joel Teixeira, terminou com a consagração das famílias a Nossa Senhora e a recitação de uma oração pelas famílias.

Este foi a primeira iniciativa pública da nova equipa do Secretariado da Pastoral Familiar da Diocese do Algarve.

Samuel Mendonça

Pub