Pub

Embora o dia se apresentasse cinzento e chegasse mesmo a chuviscar durante o percurso da procissão, foram largas dezenas de pessoas que acorreram ao chamado e que estiveram presentes na cerimónia.

Integrada nas cerimónias organizadas pela Câmara Municipal, pelas 14h30 realizou-se procissão pelas ruas de Vila do Bispo, com o andor de S. Vicente transportado por vários membros do corpo de bombeiros local trajados a rigor.

Seguiu-se a Eucaristia presidida pelo padre Mário Sousa, da paróquia matriz de Portimão, tendo participado ainda o padre José Joaquim Campôa (paróquia de Aljezur), padre Miguel Neto (paróquia de Quarteira) e pelo pároco local, padre Joel Teixeira.

Há bastante tempo que as comemorações de S. Vicente não reuniam tanta gente nas ruas e na igreja de Vila do Bispo.

Segundo as palavras do padre Mário Sousa, há que colocar os olhos no exemplo que S. Vicente nos dá, pois foi torturado e morreu por não ter querido negar a sua fé, foi brutalmente assassinado por ser cristão e por acreditar nos ensinamentos de Deus.

O sacerdote lembrou que “hoje em dia os cristãos já não precisam de se esconder, podem professar abertamente em todo o lado a fé que os une a Cristo, mas, infelizmente, muitas vezes trocam Deus por coisas banais e não lhe dão a atenção e o valor merecido”. “Que S. Vicente seja exemplo para toda a gente e que todos os homens passem a escutar Deus e a perceber os sinais que Ele lhes dá”, apelou-se ainda.

Pub