Breves
Inicio | Economia | Vinho do Algarve tem margem para crescer mas precisa unir-se ao turismo

Vinho do Algarve tem margem para crescer mas precisa unir-se ao turismo

VinhoO setor do vinho no Algarve tem margem para crescer, mas precisa de se aliar ao turismo, defendeu ontem o diretor regional de Agricultura e Pescas, informando que os 30 vinhos de quinta que existem têm recebido diferentes medalhas.

“O Algarve tem capacidade para aumentar as áreas desta cultura [vinicultura], mas com uma premissa: tem de fazer a ligação com o turismo”, nomeadamente com os “cinco ou seis milhões de turistas que visitam” a região, considerou Fernando Severino, em entrevista à Lusa no âmbito da campanha deste ano.

O responsável, para quem o setor do vinho na região “tem de ser muito trabalhado” recordou que os cerca de 30 vinhos de quinta que existem no Algarve estão atualmente a ser “medalhados em todos os certames onde vão”.

“O mercado está cá, nós não precisamos de ir à procura dele. Este trabalho tem de ser complementado”, referiu Fernando Severino, explicando que a Direção Regional de Agricultura e Pescas está a planear “bastantes ações para o exterior”, com o objetivo de captar turistas para o setor vinícola.

Por ano, aparecem em média cinco projetos no Algarve para o setor vinícola, um número baixo que só deixaria Fernando Severino satisfeito se crescesse para os “15 ou 20 projetos” anuais: “Este ano só tivemos quatro ou cinco projetos no âmbito do programa Vitis [Regime de Apoio à Reconversão e Reestruturação das Vinhas no Continente]. É muito pouco”.

Foi em 2000 que no Algarve se começou a verificar uma reconversão da vinha, em interligação com a Comissão Vitícola Regional e a Direção Regional de Agricultura, e foi nesse ano de viragem em que começaram a aparecer vinhas novas e mais no interior.

Antigamente, a vinha algarvia concentrava-se mais no litoral, mas avançou um pouco mais para o barrocal algarvio, como a Quinta do Francês, no vale da ribeira de Odelouca, em Silves.

No Algarve, considerando as vinhas velhas, há cerca de mil hectares de vinha, mas haverá apenas cerca de 700 hectares de vinhas a produzir vinho de referência. Algumas quintas já se aliaram ao turismo e mesmo à arte, referiu Fernando Severino.

A produção de uva no Algarve na campanha de 2013 aumentou 20% em relação ao ano passado e a vinho cresceu 10%, informou também ontem o diretor regional de Agricultura e Pescas do Algarve, referindo que a qualidade do vinho será de referência.

Verifique também

Algarve é a terceira região do país com maior taxa de “privação material severa”

O Algarve é a terceira região do país, logo a seguir às regiões autónomas dos …