Pub

CiclismoO alto da Fóia, em Monchique, vai voltar a ser ponto final da uma etapa da Volta ao Algarve depois de 14 anos de ausência, revelou ontem a Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC).

O ponto mais alto do Algarve, a 900 metros de altitude, será palco do final da segunda etapa, a 18 de fevereiro, o que não acontecia desde 2002.

A 42.ª Volta ao Algarve, que se vai realizar entre 17 e 21 de fevereiro, terá a sua primeira tirada decisiva para os candidatos à geral na segunda jornada, com a etapa a partir de Lagoa e terminar na Fóia.

“O traçado ainda não está totalmente delineado, mas será uma viagem com perto de 200 quilómetros e com uma segunda metade marcada pelo sobe e desce, podendo afirmar-se que será a etapa rainha”, explica a FPC em comunicado.

Os derradeiros 7,5 quilómetros serão sempre a subir, desde o centro de Monchique, até ao alto da Fóia, com a escalada a ter inclinação média de 6%.

Da última vez que a Volta ao Algarve teve um final de etapa na Fóia, o vencedor da tirada foi o suíço Alex Zulle, então ao serviço da Team Coast. A geral dessa edição da Volta ao Algarve foi conquistada pelo português Cândido Barbosa.

A edição de 2016 da Volta ao Algarve terá duas chegadas em alto: além da Fóia, há que registar a última etapa da competição, com a meta instalada no Alto de Malhão, subida com 2,5 quilómetros de extensão e uma inclinação média de 9,4%.

“O percurso da Volta ao Algarve vai completar-se com um contrarrelógio individual e com duas etapas com previsível chegada ao sprint. Espera-se uma edição mais exigente, mas com tiradas para todo o tipo de corredores”, conclui a nota da organização.

Pub