Breves
Inicio | Ambiente | Ambientalistas pedem reprovação do relatório ambiental para travar empreendimento junto à Lagoa dos Salgados

Ambientalistas pedem reprovação do relatório ambiental para travar empreendimento junto à Lagoa dos Salgados

Seis associações ambientais pediram a reprovação do relatório de conformidade ambiental (RECAPE) da primeira fase do empreendimento turístico da Praia Grande, junto à Lagoa dos Salgados, concelho de Silves, considerando que o documento “não está em conformidade” com a Declaração de Impacte Ambiental.

Em comunicado, a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), uma das subscritoras que pede a recusa do documento juntamente com a Almargem, A Rocha, Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA), Liga para a Proteção da Natureza (LPN) e Quercus, indicou que “o relatório está em muitos aspetos incompleto e não responde a várias das condições legalmente impostas pela Declaração de Impacte Ambiental (DIA)”.

Em causa, está a construção de um empreendimento com três hotéis e dois aldeamentos turísticos, com cerca de quatro mil camas, um campo de golfe e uma zona comercial, numa área de mais de 300 hectares (equivalente a 300 campos de futebol), entre as praias de Albufeira e de Armação de Pera, que a partir deste ano passou a designar-se Praia Grande Eco-Resort.

Segundo a SPEA, o Ministério do Ambiente “não poderá aprovar um projeto que, à luz da informação disponível, entra em conflito declarado com os compromissos assumidos pelo Estado português nos âmbitos das Diretivas Europeias Aves e Habitats (79/409/EC e 92/43/CEE) e não assegura a correta conservação dos valores presentes na área”.

“Este megaprojeto não acrescenta nada de novo à oferta turística do Algarve e vai destruir a última área natural da costa de Silves, uma área com espécies e habitats protegidos por lei, e um dos locais mais visitados pelos observadores de aves e outros amantes da natureza em todo o Algarve”, sublinhou a SPEA.

Em 2013, a primeira fase do empreendimento foi sujeita a Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) e aprovada pelo Governo de então, apesar dos protestos que resultaram numa petição pública que recolheu mais de 34 mil assinaturas.

Na sequência da aprovação da Avaliação de Impacte Ambiental, as seis organizações ambientais interpuseram uma ação judicial que decorre no Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé, para anular os atos administrativos que autorizaram o empreendimento.

Segundo a SPEA, o local para onde está prevista a construção do empreendimento, é de “grande importância ambiental, pelos valores e benefícios que eles proporcionam a nível de ecossistema, e um enorme potencial educativo, de lazer e turístico”, sendo claramente um elemento diferenciador da região.

“Os valores naturais e paisagísticos da área, são adequados ao desenvolvimento de um projeto turístico mais ligeiro na construção, pleno de natureza, e mais aberto à visitação e à educação, e não a mais dos mesmos erros destrutivos, cometidos já tantas vezes no Algarve”, sublinhou a SPEA.

Os ambientalistas alegam que o RECAPE que esteve em consulta pública, “não cumpre com o estipulado, porque as medidas de monitorização e mitigação são insuficientes ou não são claras, remetendo inclusivamente para futuros relatórios, (…) inviabilizando a sua consulta e avaliação, do que resulta um problema de falta de fundamentação”.

As associações de defesa do ambiente dizem esperar que o RECAPE “não seja aprovado, e que o megaempreendimento não seja autorizado a avançar”, manifestando confiança de que o Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé “se pronuncie a qualquer momento, uma vez que aguardam há mais de dois anos por uma decisão.

Disseram ainda acreditar que o tribunal só se poderá pronunciar pela anulação dos atos administrativos que viabilizaram o projeto”.

com Lusa

Verifique também

Investigadores criam plano de adaptação às alterações climáticas para o Algarve

Um consórcio liderado por investigadores vai, até ao final de 2018, elaborar um plano de …