Pub

Euro 2008: Portugal national soccer team trainingO antigo guarda-redes internacional português Ricardo apresentou ontem a sua candidatura à presidência da direção da Associação de Futebol do Algarve (AFA), num projeto que tem entre os principais objetivos a aproximação da estrutura regional aos clubes.

Ricardo, que terminou a carreira de jogador no final da época transata, ao serviço do Olhanense, depois de ter representado emblemas portugueses como o Sporting e o Boavista e de ter estado ao serviço dos espanhóis do Bétis de Sevilha, disse à agência Lusa que decidiu aceitar o “desafio lançado por várias pessoas ligadas ao futebol” e que o sensibilizaram a encabeçar a lista ontem apresentada publicamente numa conferência de imprensa.

“O que me levou a apresentar a candidatura foi uma ideia de várias pessoas que estão na minha lista. Fui convidado, tal como outras pessoas ligadas ao futebol, para fazer parte de uma lista e depois, com o desenvolvimento das coisas, avançar eu para a presidência da direção”, explicou Ricardo Pereira em declarações à Lusa, após a apresentação pública da candidatura.

O antigo guarda-redes do Sporting, que integrou a seleção portuguesa finalista do Euro2004, frisou que aceitou o desafio, com o objetivo de “tentar trazer ou reacender a paixão, a organização e a competitividade do futebol do Algarve” e “aproximar a associação de futebol dos clubes” algarvios.

Ricardo reconheceu que tem “alguma falta de experiência de associativismo e de gestão”, mas considerou que “a experiência e o conhecimento adquiridos como profissional ao longo de 22 anos de carreira” é uma “mais-valia” para “desenvolver um bom trabalho” à frente da AFA.

O agora candidato à presidência da AFA disse que o fisioterapeuta Fernando Belo foi “um dos principais impulsionadores” da sua presença na lista, que disse ser “a única que formalizou a entrega da candidatura” ao ato eleitoral de 20 de março.

“A lista foi entregue em mãos na AFA hoje [ontem] à tarde. Quando entregámos a lista perguntámos se já havia mais alguma candidatura apresentada e disseram-nos que ainda não havia nenhuma lista e até à data a nossa foi a primeira e a única a ser apresentada. Mas como havia interpretações díspares sobre os prazos para entrega das listas, achámos por bem formalizar a candidatura, a 10 dias do ato eleitoral”, disse ainda o antigo internacional português.

Pub