Breves
Inicio | Política | Aprovada fusão das empresas municipais AmbiFaro e Mercado Municipal

Aprovada fusão das empresas municipais AmbiFaro e Mercado Municipal

Mercado_municipal_faroA fusão das empresas AmbiFaro e Mercado Municipal de Faro, que começou a ser preparada em 2009, foi aprovada pelo Tribunal de Contas, anunciou na terça-feira a Câmara, o que implica a redução de número de administradores para metade.

Em comunicado, a autarquia diz que a medida permitirá um aumento da “eficiência da aplicação dos recursos financeiros” e “uma maior flexibilidade à gestão da tesouraria” e assegura que serão mantidos todos os trabalhadores atualmente ao serviço de ambas as empresas.

Com a fusão da AmbiFaro (agência para o desenvolvimento económico) e da Mercado Municipal, o concelho reduz para metade o número de empresas municipais que tinha até 2013 – ano em que foi extinta a empresa do Teatro das Figuras, que passou a serviço municipalizado -, ficando apenas com a nova empresa e com a Fagar, responsável pelo saneamento básico e limpeza e a única a ficar de fora do processo.

Como vantagens na fusão, a autarquia salienta a redução do número de administradores de seis para três, a erradicação da duplicação de funções no universo de ambas as empresas, assim como as poupanças previstas nas despesas relativas a técnicos e revisores oficiais de contas e a possibilidade de renegociar contratos com fornecedores.

A Câmara Municipal recebeu, no passado dia 17 de outubro, a aprovação do Tribunal de Contas ao processo de fusão das empresas municipais Ambifaro e Mercado Municipal, reconhecendo assim a validade das demonstrações, efetuadas pela autarquia, da viabilidade económico-financeira e da racionalidade económica da futura estrutura empresarial.

“Dos diversos cenários estudados, nomeadamente a manutenção das duas empresas com identidade e figuras jurídicas autónomas, ou mesmo a incorporação das suas áreas de atividade, recursos e compromissos na responsabilidade direta e interna do município de Faro, será este o quadro que maior eficiência operacional e técnica, mas sobretudo estabilidade económico-financeira, garante ao conjunto destas empresas municipais”, lê-se no comunicado.

A intenção inicial, quando Macário Correia ainda presidia ao município, previa englobar as três empresas, incluindo o teatro, mas uma alteração na lei, no verão de 2012, obrigou a extinguir a empresa do Teatro das Figuras, por não reunir as condições para se manter como empresa municipal.

Verifique também

Câmara de Loulé faz proposta para limitar urbanismo em zona central de Quarteira

O executivo camarário de Loulé vai propor, na reunião de hoje, a criação de uma …