Breves
Inicio | Política | Autarca de Aljezur lamenta que surf fique fora do programa Polis

Autarca de Aljezur lamenta que surf fique fora do programa Polis

Foto © Luís Forra/Lusa
Foto © Luís Forra/Lusa

O presidente da Câmara de Aljezur lamentou hoje que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) tivesse deixado de fora da intervenção do programa de valorização Polis Litoral Sudoeste, “a relocalização e infraestruturação” das atividades do surf.

“É uma oportunidade única, e espero que o senhor secretário de Estado ainda vá a tempo de resolver com a APA a infraestruturação e os apoios às modalidades ligadas ao surf, que desde o início do Polis estavam previstas”, frisou José Amarelinho, presidente da Câmara de Aljezur (PS).

Segundo o autarca, “aparentemente, a APA quer relegar estas questões para o Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC), perdendo-se uma oportunidade de ouro para que, em conjunto com todas as entidades, a atividade do surf pudesse ser resolvida de uma vez por todas”.

“É uma questão de vontade política, e que espero que seja possível resolver até ao final da presente época balnear”, sublinhou.

Na opinião de José Amarelinho, os apoios ao surf e a construção de ciclovias e de ecovias “são intervenções que ficaram de fora do Polis, programa que deu resposta a algumas reivindicações antigas”.

No concelho de Aljezur, a intervenção do programa Polis Litoral Sudoeste contemplou o ordenamento das acessibilidades do trânsito automóvel e de peões, o parqueamento automóvel, mobiliário urbano e infraestruturas nas praias da Amoreira, de Vale Figueira, Arrifana, Monte Clérigo, Vale dos Homens e Odeceixe.

“Estas obras eram aquelas que reclamávamos há muito tempo para as nossas frentes de mar, porque tinha a ver com a segurança das pessoas e bens, o acesso às praias, o controlo da erosão e com a defesa da costa”, destacou José Amarelinho, acrescentando que “com uma comparticipação autárquica de 1,2 milhões de euros, foi conseguido um investimento direto de cerca de 5,4 milhões de euros”.

Para o autarca, as questões de projeto “são sempre discutíveis, mas de uma forma geral, é uma intervenção globalmente positiva”.

Nas praias da Amoreira, de Vale Figueiras e de Vale dos Homens, as intervenções estão concluídas. Em Monte Clérigo os trabalhos têm conclusão prevista para este mês e na Arrifana para o mês de junho.

No Portinho do Forno, as obras orçadas em 305 mil euros iniciaram-se este mês, prevendo-se a sua conclusão para dezembro, enquanto a segunda fase da intervenção na praia de Odeceixe, com início previsto para maio e conclusão em dezembro, vai custar cerca de 250 mil euros.

As empreitadas de requalificação e valorização que a Sociedade Polis Litoral Sudoeste está a desenvolver ao longo dos 150 quilómetros de frente costeira do Litoral Alentejano e da Costa Vicentina ascendem a um investimento de 40,1 milhões de euros.

Verifique também

Governo deve simplificar apoio às vítimas do incêndio de Monchique

O Governo deve adotar, “com urgência”, um procedimento simplificado para apoio às vítimas dos incêndios …