Pub

“Todas as semanas, o primeiro ministro e os ministros das Obras Públicas e das Finanças vão reparar que esta obra continua parada”, afirmou Paulo Neves, prometendo marcar a agenda do Governo até que “mostre respeito pelos farenses”

O candidato falava durante a apresentação do programa eleitoral do PS, iniciativa escolhida para assinalar o primeiro dia oficial da campanha eleitoral e realizada simbolicamente no asfalto da inacabada Variante Norte a Faro

A obra arrancou em 2009 com um orçamento de 17 milhões de euros, mas foi suspensa em março de 2012, assim como a empreitada de requalificação da Estrada Nacional 125, por dificuldades financeiras do consórcio construtor

Os responsáveis pela obra estimavam, na altura, que a construção da segunda fase da variante iria retirar do centro de Faro uma média de 20 mil carros por dia, reduzindo filas de trânsito e engarrafamentos

Paulo Neves lamentou que a suspensão da obra esteja a criar uma “situação de bloqueio” ao desenvolvimento de Faro, acusando o atual executivo (PSD) de ter “desistido” da obra da variante e da cidade

“é como ter uma cidade capital do Algarve sitiada por um muro, que neste caso é o muro da vergonha, porque são milhões investidos e parados”, criticou o socialista, estimando que a obra esteja a três meses de ser concluída

Salientando que a continuidade da obra depende apenas do Governo, o candidato acrescentou que vai exigir, caso seja eleito a 29 de setembro, que a obra seja relançada o mais depressa possível

Até estar concluída, a obra obriga a que se mantenham encerradas pelo menos duas estradas municipais, na Penha e no Rio Seco

A segunda fase da variante inclui um traçado totalmente novo com 2,5 quilómetros, a execução de três pontes, seis passagens superiores e uma inferior

Pub