Pub

Em causa está o previsto realojamento dos pescadores que vivem na Praia de Faro numa urbanização situada no Montenegro, ao abrigo das demolições de habitações ilegais nas ilhas barreira, previstas no Programa Polis da Ria Formosa

Em declarações á Lusa, Vitorino defendeu querer travar “de imediato” o processo que prevê a construção daquela urbanização, para a qual a Câmara deverá investir cerca de 8,5 milhões de euros

“Com uma parte [da verba] vai-se melhorar e requalificar a zona Poente da ilha, em particular, e com a outra parte vamos fazer habitação social para uma cidade que está em carência quase absoluta”, defendeu

Vitorino defendeu, ainda, que os 12 milhões de euros que deverão ser usados para as demolições nas ilhas da Ria Formosa – previstas, na sua maioria, para a Praia de Faro -, devem ser redirecionados para outros fins

“Numa situação de descalabro como esta não podemos estar aqui com 12 milhões de euros no âmbito do Polis para demolições”, defendeu, acrescentando ter a informação de que a verba continua contemplada naquele programa para esse efeito

Há dois anos, o presidente da Câmara de Faro, Macário Correia (PSD), admitia a intenção de adquirir vários lotes de terreno para construir novas habitações para os pescadores, na freguesia do Montenegro, a que pertence a Praia de Faro, mas o processo ainda não está concluído

“Acaba-se com a urbanização e acaba-se com a loucura da expulsão dos pescadores da ilha, porque foram eles que povoaram a ilha há 120 anos”, concluiu, prometendo lutar para evitar que os pescadores saiam da ilha

O candidato cumpriu um mandato em Faro pelo PSD entre 2001 e 2005 e é apoiado pela Aliança Cívica “Salvar Faro, com Coração”

Os seus adversários são Rogério Bacalhau (PSD/CDS-PP/MPT/PPM), Paulo Neves (PS), António Mendonça (CDU), Vítor Ruivo (BE) e Vítor Silva (PPV)

Pub