Pub

A decisão da Comissão Coordenadora Distrital do BE do Algarve "foi tomada numa reunião realizada no passado fim de semana, por proposta da Comissão Política Nacional, depois de se ter verificado que o vereador João Pereira faltou à verdade em várias ocasiões relativamente a vários processos", explicou João Vasconcelos.

Em causa, segundo o elemento da Comissão Coordenadora Distrital, estão processos judiciais de que o vereador é alvo e sobre os quais terá faltado à verdade quando confrontado pelos responsáveis do partido.

"Uma das principais bandeiras do BE é a luta pela transparência absoluta e esse é um ponto central do qual não abdica. E a Comissão Coordenadora Distrital entendeu acatar a proposta da Comissão Política Nacional de retirar a confiança política ao vereador, porque foi alvo de vários processos, que não foram esclarecidos e sobre os quais faltou à verdade", afirmou Vasconcelos, sem querer precisar a natureza dos casos.

O dirigente do Bloco no Algarve frisou que "são casos que podem vir a ser graves" e o partido "não pode pactuar com estas situações".

A retirada da confiança política a João Pereira foi aprovada pela Comissão Política Distrital por larga maioria, apenas com um voto contra e uma abstenção.

Entretanto, a Comissão Política Concelhia do PS Olhão já se congratulou com decisão do BE ao retirar confiança política a vereador, comunicada por ofício ao presidente da Câmara Municipal de Olhão, o socialista Francisco Leal, e apresentada hoje em sessão de câmara.

"Embora peque pela demora, ao tomar esta decisão o BE reconhece finalmente o erro cometido nas últimas eleições autárquicas, ao propor para vereador uma pessoa que não reúne as mínimas condições para desempenhar o referido cargo", afirmou António Pina, presidente da concelhia socialista de Olhão.

A Lusa tentou ouvir o vereador João Pereira sobre a retirada da confiança política por parte do Bloco de Esquerda mas até ao momento não conseguiu estabelecer o contacto telefónico com o visado.

Lusa

Pub