Breves
Inicio | Cultura | Bispo do Algarve anunciou o desejo de abrir as salas do Paço Episcopal ao público

Bispo do Algarve anunciou o desejo de abrir as salas do Paço Episcopal ao público

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O bispo do Algarve anunciou ontem que a diocese pretende em breve abrir ao público as salas principais do Paço Episcopal de Faro, correspondendo a um desejo que já é antigo que tem tido dificuldades de concretização, sobretudo por questões de segurança.

“É nosso propósito abrir ao público os espaços de azulejaria em colaboração com o Cabido e o Museu da Sé e prosseguir o aprofundamento de um projeto de recuperação da zona em que esteve instalada a Tipografia União, bem como o seu recheio tipográfico em vista da sua ulterior abertura ao público, enquanto futuro Museu da Imprensa”, afirmou D. Manuel Quintas, referindo-se também a essa intenção já anunciada em julho de 2017 de criação de um núcleo museológico no espaço da antiga tipografia da diocese.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O bispo do Algarve, que falava na inauguração da “Exposição para a Difusão do Conhecimento – Núcleo Histórico da Imprensa de Gutenberg e do Pentateuco de Faro” na antiga capela do Paço Episcopal, considerou aquele edifício um “testemunho vivo da atenção dos bispos desta diocese à promoção da cultura e à valorização do espaço urbano da cidade, contribuindo para fazer do largo da Sé o espaço nobre, o seu ex-libris”.

A construção do edifício deve-se a D. Afonso de Castelo Branco, bispo do Algarve entre 1581 e 1585. “Trata-se de um edifício seiscentista que vale quer pela qualidade da arquitetura e da decoração, quer pela função que desempenha”, lembrou o prelado.

O interior do edifício episcopal, reconstruído por D. Frei Lourenço de Santa Maria depois do terramoto de 1755 e que suscita muita curiosidade de turistas, mas também de muitos algarvios e residentes no Algarve, tem no seu conjunto de azulejos um dos elementos de maior riqueza. Os painéis daqueles exemplares do século XVIII, de estilo barroco e rococó, estendem-se do átrio pela escadaria às salas do primeiro andar, revelando aqueles últimos uma enorme riqueza cromática.

Verifique também

Sistema inédito permite explorar obras no Museu Municipal de Faro com os cinco sentidos

Os visitantes do Museu Municipal de Faro já podem explorar 84 obras de arte com …