Pub

D. Manuel Quintas falava no âmbito do encerramento da visita pastoral realizada, de 23 a 30 deste mês, àquelas comunidades paroquiais.

No sábado à tarde, em Santa Bárbara de Nexe, na Eucaristia de encerramento da visita pastoral, apelou à colaboração “redobrada” com o pároco, o padre Júlio Tropa Mendes. “Vamos prosseguir na inserção nesta paróquia e na nossa Igreja diocesana, sendo «pedras vivas», sentindo-nos todos corresponsáveis nesta família que constituímos. Quanto mais isso for vivido de maneira consciente, mais a nossa Igreja diocesana será viva no seu todo, fraterna no seu relacionamento e missionária, vivendo o dinamismo que caracteriza todos aqueles que se fazem discípulos de Cristo e que se deixam fortalecer na fé pela ação do espírito”, afirmou o prelado.

Em Estoi, ontem de manhã, também exortou a “progredir neste caminho” e pediu aos paroquianos que se disponibilizem “ainda mais” para “colaborar em projetos e propostas comuns para responder às necessidades” daquela comunidade, “não preocupados em fazer muitas coisas mas em ser melhores, mais vivos na fé e no testemunho”. “Era importante que todos vos sentísseis mobilizados, não apenas para participar na Eucaristia dominical, mas para colaborar aos diferentes níveis da vida desta paróquia”, pediu o bispo diocesano.

D. Manuel Quintas manifestou o seu reconhecimento aos que, “de maneira mais ativa”, já colaboram na vida da paróquia de Santa Bárbara de Nexe, garantindo ser deste modo que “as comunidades cristãs crescem e se predispõem para ser missionárias”, e destacou, em Estoi, o grupo “entusiasta” de catequistas, constatando a disponibilidade paroquial para crescer na fé, “sobretudo com mais os pequeninos”.

O bispo do Algarve lembrou que uma visita pastoral serve para “animar e fortalecer na fé”, “para que não haja gente desencorajada no meio das dificuldades” e “para que a fé possa ficar ainda mais viva e fortalecida pela presença e palavra do bispo que aponta para Jesus, o bom pastor”. O prelado reconheceu ter procurado “deixar a «semente» do amor de Deus, a força da fé e o entusiasmo por Cristo” que espera continue a “crescer” e a “«dar fruto»”.

D. Manuel Quintas disse ter sido “gratificante” encontrar-se com alguns grupos e, em Estoi, considerou que a visita ocorreu no “momento histórico” em que a nova equipa pastoral (composta pelo padre Firmino Ferro e pelo diácono Luís Galante) assume a comunidade. “Não vos deveis admirar se eles quiserem fazer coisas diferentes daquilo que foi feito até agora. O importante são os objetivos que se atingem, o caminho pode mudar e ser diferente de acordo com as próprias pessoas”, disse, lembrando a última visita pastoral que realizou há 10 anos àquela paróquia, ainda como bispo auxiliar do Algarve.

Em Santa Bárbara de Nexe, na Eucaristia em que o bispo do Algarve administrou o sacramento do Crisma a 13 jovens e adultos, o pároco agradeceu a D. Manuel Quintas a “beleza que foi a visita pastoral”, por ter animado e ensinado a comunidade com a sua palavra de “mestre na fé”. “A partir de hoje temos uma obrigação ainda mais acrescentada de colaborarmos todos mais em Igreja”, evidenciou o padre Júlio Tropa Mendes.

Em Estoi, o novo pároco, que também agradeceu a visita, lembrou que D. Manuel Quintas, o “primeiro pastor da Igreja do Algarve” e “sucessor dos apóstolos”, veio para “sentir o pulsar” da comunidade e o “dinamismo interior” dos seus grupos e movimentos. “É importante hoje ganharmos mais força e coragem e alargarmos o nosso leque de colaboradores diretos e irmos ao encontro de todos”, salientou o padre Firmino Ferro.

Ao longo da semana, o prelado visitou também a Junta de Freguesia e o Centro Comunitário de Estoi e o Centro Paroquial de Santa Bárbara de Nexe.

Samuel Mendonça
Pub