Pub

A visita a Braga significava, para a equipa algarvia, o terceiro jogo fora consecutivo de elevado grau de dificuldade depois dos jogos em Alvalade e no estádio do Dragão.

Na primeira parte, a equipa da casa rapidamente se instalou no meio-campo adversário mas só aos 36 minutos ficou perto do golo, quando Moretto desviou para canto uma bola que, por pouco, não entrou. Apesar disso, o Olhanense poucas vezes vacilou e foi tentando impor, de forma serena, o seu modelo de jogo. Contudo, faltava produtividade no ataque, composto por um trio inédito: João Gonçalves-Paulo Sérgio-Toy. Foi contra a corrente do jogo que, na sequência de um livre lateral, Maurício subiu à área do Braga e inaugurou o marcador.

O Sporting de Braga entrou com forte pressão na 2.ª parte e depressa deu a volta ao resultado. Primeiro, por Mossóro, sem marcação, a rematar colocado. Pouco depois, Lima surgiu pela direita, cruzou e Moretto acabou por introduzir a bola na própria baliza. O mesmo atacante marcou o terceiro golo, dando a melhor resposta a um livre indirecto marcado na área algarvia. A defesa da equipa comandada por Daúto Faquirá acusou clara desorientação nesta fase e o jogo ficou sentenciado.

Resultado justo, quando se esperavam mais dificuldades para a equipa da casa perante o resultado que se registava ao intervalo. O ritmo forte do jogo bracarense na 2.ª parte criou muitas dificuldades à defensiva olhanense que não resistiu e deixou fugir o objectivo de pontuar no estádio de um dos candidatos ao título.

Abel Ramos
Pub