Breves
Inicio | Economia | Câmara aprova extinção da Portimão Urbis sem decisão sobre 111 trabalhadores

Câmara aprova extinção da Portimão Urbis sem decisão sobre 111 trabalhadores

Camara_portimaoA Câmara de Portimão anunciou hoje ter aprovado a extinção da empresa municipal Portimão Urbis e tem agora 15 dias para apresentar um projeto sobre o destino a dar aos 111 trabalhadores da empresa.

A proposta para a dissolução da Portimão Urbis foi apresentada pela presidente da autarquia, Isilda Gomes, e aprovada por unanimidade na quinta-feira em reunião de Câmara.

Em comunicado, a autarquia indicou que a presidente “ficou incumbida de preparar o projeto de dissolução, liquidação e plano de internalização [atividades e funcionários] a apresentar no prazo máximo de 15 dias, para posterior deliberação pela Câmara e pela Assembleia Municipal.

“Sem prejuízo do agora decidido, a Câmara considerou como imperiosa a preservação e proteção dos ativos da sociedade com vista à continuidade das atividades […], assim como a recuperação da reputação do município perante os credores”, lê-se no documento.

Em julho passado, a autarca disse à agência Lusa que a decisão de encerrar a empresa municipal foi tomada “de forma ponderada e com a consciência de que irão ser afetadas as vidas dos colaboradores da empresa”.

A decisão de extinguir a empresa municipal resultou de uma análise efetuada durante vários meses e que permitiu concluir que “os riscos para o município de manter a empresa em funcionamento não compensavam de forma satisfatória os custos associados à operação da Portimão Urbis”.

No âmbito da dissolução, as competências, os equipamentos sob gestão da empresa e o passivo remanescente serão transferidos para o município enquanto acionista único.

Em 2013, face aos problemas financeiros da autarquia, a extinção da Portimão Urbis chegou a ser ponderada, tendo o executivo municipal decidido manter a empresa adaptando-a à lei do setor empresarial local, com a redução da despesa em 8,8 milhões de euros. Verificou-se uma redução média de 14% nos salários do pessoal.

Segundo a autarquia, “durante o mandato do atual conselho de administração a massa salarial passou de cerca de 3,7 milhões de euros/ano para 2,1 milhões, tendo o número de trabalhadores passado de 156 para os atuais 117”.

A Câmara de Portimão, uma das mais endividadas do país, viu o Tribunal de Contas recusar-lhe o acesso ao Programa de Apoio à Economia Local (PAEL) e vai agora integrar o lote de autarquias que vão receber ajuda do Fundo de Apoio Municipal (FAM).

O FAM deverá cobrir a totalidade da dívida que ronda os 100 milhões de euros, montante que estava candidatado ao PAEL e ao Plano de Reequilíbrio Financeiro que tinha sido negociado com a banca.

A decisão de extinguir a Portimão Urbis foi comunicada em julho passado pela própria presidente da autarquia aos trabalhadores da empresa municipal.

Verifique também

Empresa municipal de Vila Real de Santo António vai vender Hotel Guadiana

A empresa municipal de Vila Real de Santo António Sociedade de Gestão Urbana (SGU), que …