Pub

Camara_municipal_faroO presidente da Câmara de Faro disse ontem que a revisão orçamental aprovada por unanimidade pela autarquia incluiu as exigências do PS e da CDU, mas manteve “praticamente todos os investimentos” previstos pela liderança PSD/CDS-PP/MPT/PPM.

Rogério Bacalhau tinha anunciado a 24 de maio uma revisão orçamental da autarquia para permitir projetos de investimentos de cerca de 4,3 milhões de euros na melhoria da rede viária e equipamentos públicos, em 2016, mas explicou à Lusa que a falta de maioria na Câmara fez com que a coligação que lidera aceitasse as propostas do PS e da CDU para reunir também os votos da oposição e passar a medida por unanimidade na sessão de câmara.

O encontro realizou-se na quinta-feira passada.

O autarca social-democrata precisou que o PS pediu ao executivo para fazer um abatimento de 200 mil euros no empréstimo de longo prazo realizado ao abrigo do Programa de Apoio à Economia Local (PAEL) e a CDU para destinar 700 mil euros a habitação social.

“Na prática, o que o PS exigia era que se fizesse um abatimento ao empréstimo de longo prazo do PAEL, com o qual eu não concordo porque não vai trazer benefícios rigorosamente nenhuns ao concelho e inviabiliza, de alguma forma, algum investimento. Estar a pagar empréstimos ao Estado ou à banca, quando temos uma carência grande de melhorias no concelho, não me parece que seja a melhor opção”, considerou o autarca.

Sobre a proposta da CDU, Rogério Bacalhau disse que esta “exigia que se colocasse alguma verba para adquirir casas para habitação social e fosse diferido um conjunto de investimentos que estavam previstos neste ano para o próximo ano”, em 2017.

“Mas os investimentos continuam todos, exatamente os mesmos que já tínhamos proposto”, assegurou o autarca, acrescentando que a solução aprovada por unanimidade “não desvirtualiza a proposta” inicial da coligação que lidera o município.

Em maio, quando anunciou a revisão orçamental para promover os investimentos de 4,3 milhões de euros, Rogério Bacalhau frisou que esta seria a primeira vez em “muitos anos” que a câmara de Faro tinha “condições para fazer este tipo de investimentos”.

O plano prevê a melhoria da rede viária e equipamentos públicos e ainda a recuperação do parque escolar e desportivo, a duplicação de apoios ao associativismo e juntas de freguesia.

O presidente da autarquia explicou na ocasião que este investimento só era possível porque em 2015 a dívida do município foi a mais baixa dos últimos 10 anos, o que permitiu transitar para 2016 um saldo de gerência de operações orçamentais que totaliza mais de 5,4 milhões de euros.

Pub