Pub

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

A Câmara de Loulé anunciou na terça-feira que vai apoiar pessoas carenciadas através do pagamento de alimentos, medicamentos, água, eletricidade e de pequenas reparações em casas degradadas, indo para isso criar a respetiva regulamentação.

Em comunicado, a autarquia adiantou que os regulamentos acerca desta iniciativa vão ser apresentados na próxima reunião do executivo e depois à Assembleia Municipal e estima que os apoios possam começar a ser atribuídos em maio, após aprovação nos organismos competentes e publicação em Diário da República.

O regulamento solidário de saúde apoiará pessoas com dificuldades em comprar medicamentos e recorrer a tratamentos, o regulamento para as necessidades básicas prevê ajudas para pagar água, eletricidade ou para comprar alimentos e o regulamento para as necessidades habitacionais prevê apoio financeiro para pequenas reparações em habitações degradadas.

O presidente da autarquia, Vítor Aleixo (PS), informa ainda a reativação do cartão municipal sénior, que dá descontos e isenção de pagamento em alguns serviços municipais, a reformulação do serviço da Unidade Móvel de Saúde que percorre as zonas mais periféricas do concelho e a abertura de mais 30 vagas nas creches do concelho.

No próximo verão, segundo a autarquia, os encarregados de educação passam a contar com espaços de Atividades de Tempos Livres (ATL) nos vários agrupamentos escolares do concelho.

O executivo municipal assumiu ainda o compromisso de colocar uma cantina de cada agrupamento escolar a funcionar durante o período de férias, como forma de assegurar refeições às crianças de famílias carenciadas.

O desemprego no concelho é um problema que Vítor Aleixo classifica como o mais dramático, estimando que haja em Loulé entre “sete a oito mil desempregados”, concelho que deverá ter “das mais altas taxas de desemprego”, embora os organismos oficiais estimem que haja 5310 desempregados, lê-se no comunicado.

Da parceria criada com o Instituto de Emprego e Formação Profissional o executivo municipal disse já ter conseguido ocupação para 28 pessoas e tem em curso a aprovação para mais 38 desempregados.

Pub