Breves
Inicio | Economia | Câmara extingue este ano a empresa municipal Portimão Urbis

Câmara extingue este ano a empresa municipal Portimão Urbis

Camara_portimaoA Câmara de Portimão vai extinguir este ano a empresa municipal Portimão Urbis e estudar a integração dos 107 funcionários nos restantes serviços camarários, anunciou a presidente da autarquia, Isilda Gomes.

De acordo com um comunicado da autarca, a decisão de encerrar a empresa municipal foi tomada “de forma ponderada e com a consciência de que irão ser afetadas as vidas dos colaboradores da empresa”.

Segundo a mesma nota, a decisão resulta da análise efetuada ao longo dos últimos meses, a qual concluiu que “os riscos para o município de manter a empresa em funcionamento, não compensavam de forma satisfatória os custos associados à operação da Portimão Urbis”.

Para concretizar a dissolução e o encerramento da Portimão Urbis, vai ser eleito um novo conselho de administração “que terá como incumbência tomar as medidas necessárias à extinção até ao final do presente ano”.

Isilda Gomes indicou que, no âmbito da dissolução, “as competências, os equipamentos sob gestão da empresa e o passivo remanescente serão transferidos para o município enquanto acionista único”, antevendo que “do ponto de vista do munícipe não existam perturbações nos serviços”.

Na opinião de Isilda Gomes, é necessário procurar “um consenso o mais alargado possível sobre a forma de integração das atividades da empresa no município, assim como o respetivo plano social, o que será feito atempadamente”.

Em 2013, face aos problemas financeiros da autarquia, a extinção da Portimão Urbis chegou a ser ponderada, tendo o executivo municipal decidido manter a empresa adaptando-a à lei do setor empresarial local, reduzindo a despesa em 8,8 milhões de euros, verificando-se uma redução média de 14 por cento nos salários do pessoal.

“Durante o mandato do atual conselho de administração, a massa salarial passou de cerca de 3,7 milhões de euros/ano para 2,1 milhões, tendo o número de trabalhadores passado de 156 para os atuais 107”, destacou a autarquia.

Entretanto, a coligação Servir Portimão (CDS/PP, MPT e PPM), que lidera a oposição na Câmara de Portimão, considerou que a dissolução da Portimão Urbis “era o único caminho e avança de forma tardia”.

Para o vereador José Pedro Caçorino, o executivo “finalmente assumiu uma decisão que era inevitável, à luz da realidade da empresa e da lei em vigor e condição inultrapassável para acesso ao Fundo de Apoio Municipal”.

A Câmara de Portimão, uma das mais endividadas do país, viu o Tribunal de Contas recusar-lhe o acesso ao Programa de Apoio à Economia Local (PAEL), e vai agora integrar o lote de autarquias que vão receber ajuda do Fundo de Apoio Municipal (FAM).

O FAM deverá cobrir a totalidade da dívida que ronda os 100 milhões de euros, montante que estava candidatado ao PAEL e ao Plano de Reequilíbrio Financeiro que tinha sido negociado com a banca.

A decisão de extinguir a Portimão Urbis, até ao final do ano, foi comunicada pela própria presidente da autarquia aos 107 trabalhadores da empresa municipal, em reunião que decorreu no passado dia 18.

Verifique também

Projeto empreendedor apresentado no IX Encontro dos Centros Paroquiais e das Misericórdias

A Diocese do Algarve promoveu no passado dia 15 deste mês o IX Encontro dos …