Pub
© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

O encontro dos centros sociais paroquiais e outras instituições sociais da Igreja algarvia, que teve lugar na última terça-feira no Centro Intergeracional da Pegada do Centro Paroquial de Santa Maria de Tavira, apelou ao “enorme desafio quotidiano da humanização dos serviços”, de “olhar cada ser humano na sua individualidade ou tratá-lo como pessoa e não como objeto” e à “recusa a todas as mais variadas formas de descriminação”.

A irmã Isabel Martins, da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima, oradora no encontro promovido pelo Secretariado da Pastoral Social da Diocese do Algarve que contou com 50 responsáveis de 10 instituições sociais, frisou que o “primeiro grande desafio quotidiano para uma instituição social da Igreja” é “ver em cada ser humano a imagem de Deus, independentemente da sua idade, situação social, estado de saúde, convicções religiosas, caraterísticas pessoais ou comportamento”.

“Faz-me muita impressão que, da parte da Segurança Social e de outras entidades, nos queiram pressionar a tratarmos os nossos utentes por clientes. Arrepia-me. É verdade que nos obrigam a fazer contratos de prestação de serviços, mas nós não temos com os nossos utentes uma relação comercial. Nós não fazemos negócio, servimos”, destacou a religiosa, natural de Monchique e animadora pastoral no Centro Social da Ericeira, apelando àquelas instituições para que “resistam a essa pressão”.

Neste sentido, sustentou que “a consciência da dignidade intrínseca de cada pessoa conduz à convicção de que ela não vale por aquilo que tem – mesmo que possuísse o mundo inteiro –, mas vale por aquilo que é”.

A consagrada, licenciada em Animação Cultural e Educação Comunitária, que foi diretora-geral do Centro Social de Valada de Frades, exortou à “denúncia” de uma “cultura de morte” num “momento fundamental” da missão da Igreja.

Citando a exortação apostólica “Christifideles Laici”, do Papa João Paulo II, considerou que “tratar um doente terminal ou que permaneça acamado durante anos, sempre com o mesmo ânimo e dedicação, sem baixar a qualidade do serviço prestado, velando pelo seu bem-estar e dignidade, independentemente do compromisso ou não da família, seja no seu domicílio ou na instituição, é denúncia desta cultura de morte”.

A oradora salientou, por isso, que a denúncia de todos os atentados ao “direito inalienável à vida” “faz parte integrante do agir do Centro Social”.

A irmã Isabel Martins, que se referiu à identidade cristã dos centros sociais paroquiais, advertiu que se aquelas instituições não forem evangelizadoras, participando da “missão de Cristo”, não serão cristãs, mesmo se pertencem à paróquia ou mesmo que tenham o pároco por presidente.

A religiosa lembrou que, “pelas instituições sociais da Igreja, a própria Igreja tem a oportunidade de dialogar com o mundo da política, com as instituições estatais, não enquanto subalterna, mas na postura de parceira e membro ativo da sociedade, na tarefa de melhorar a qualidade de vida e formação das populações”.

A conferencista, salvaguardando a “independência que se requer aos centros face à sociedade”, defendeu que aquelas instituições da Igreja devem “unir-se a todos quantos promovem a justiça, independentemente de serem crentes ou não, reconhecer e amar a Cristo em todas as pessoas, por palavras e por obras, para comunicar o amor do Pai”.

Evidenciando que “as instituições sociais da Igreja contribuem para o bem comum”, explicou que os centros sociais paroquiais são “organizações intermédias da sociedade, situadas entre as instituições estatais e a população carenciada, contribuindo a seu nível para a construção social”. “Colaboram na redistribuição de dinheiros públicos, prestando serviço a todas as pessoas de forma indiscriminada, cooperam assim com o Estado na promoção dos direitos sociais, na erradicação das manifestações de pobreza e na promoção da inclusão social”, acrescentou.

A irmã Isabel Martins lembrou que “também a gestão financeira tem que «beber» da identidade da instituição”. “Como é importante o testemunho da verdade pelas instituições sociais da Igreja nestes tempos que correm, marcados por falta de transparência. Gestão responsável, eficaz e transparente dos dinheiros é um dos maiores serviços que as nossas instituições podem prestar a Portugal neste momento”, considerou.

“É preciso estimular a inovação pedagógica, ultrapassar medos, valorizar o que somos, acreditar no tesouro que transportamos. Somos instituições com vocação para responder às necessidades das pessoas, mas que muitas vezes ficamos ancoradas nas respostas tipificadas da Segurança Social e com pouca capacidade de inovação. Deixemo-nos seduzir e inspirar pelo evangelho”, exortou, lamentando que, “durante muitos anos”, a Igreja se tenha preocupado apenas com as necessidades básicas da pessoa, esquecendo a sua “dimensão espiritual”.

O próximo encontro dos centros sociais paroquiais algarvios terá lugar na Aldeia de São José de Alcalar, no dia 8 de abril.

Pub