Pub

A chuva intensa que caiu na quinta-feira à noite no concelho de Olhão provocou dezenas de ocorrências, quase todas relacionadas com inundações da via pública, disse à Lusa fonte da proteção civil.

A chuva começou a cair com intensidade a partir das 17:30 e só acalmou já depois das 22:00, tendo causado inundações sobretudo na via pública, adiantou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro.

A Câmara Minicipal informou que a chuva causou apenas danos materiais, não havendo feridos a lamentar.

Em comunicado, a autarquia adiantou que no total foram registadas 53 ocorrências, na sua maioria relacionadas com inundações, no entanto, algumas vias ficaram submersas o que provocou “sérios constrangimentos” na circulação rodoviária.

Em declarações à Lusa, o comandante dos Bombeiros Municipais de Olhão referiu que “houve habitações atingidas”, obrigando os moradores a pernoitar em casas de familiares até que “se estabelecesse a normalidade”, não havendo, no entanto, registo de desalojados.

Segundo Luís Gomes, “até à hora de almoço” de hoje será reposta a circulação no túnel situado junto à estação ferroviária, que ficou inundado devido à força da água, situação que se repete sempre que chove com intensidade.

Questionado pela Lusa sobre a razão pela qual aquele túnel inunda com frequência, o responsável defendeu que a “experiência demonstrou” que o túnel até funciona como “bacia de retenção”, evitando que a “brutalidade de água” siga “pelas avenidas e zona histórica”, algo que poderia ser “dramático”, realçou.

De acordo com a autarquia, a chuva provocou uma “sobrecarga nos sistemas de drenagem artificiais existentes, bem como o transbordo das principais linhas de água”, originando vários episódios de cheias e inundações, com principal incidência no perímetro urbano da cidade.

O fenómeno de precipitação intensa que assolou o concelho entre as 17:00 e as 20:00 de quinta feira, com um pico às 19:00, registou, “um acumulado de precipitação de 47 milímetros”, lê-se ainda na mesma informação.

A intervenção das autoridades permitiu a reabertura de “todas as vias”, mantendo-se apenas interditada a circulação na passagem desnivelada de Olhão, que, segundo a Câmara, “ficará solucionada ainda no decorrer desta manhã”.

Em resposta às ocorrências, estiveram envolvidos meios das juntas de freguesia, empresas municipais, serviços municipais, Polícia Municipal e várias corporações de bombeiros.

Além do Corpo de Bombeiros Municipais de Olhão, acorreram aos locais inundados também os Sapadores de Faro, Faro Cruz-Lusa, de São Brás de Alportel, Albufeira, São Bartolomeu de Messines, Lagoa e Portimão.

À Lusa, fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro revelou que Olhão “foi a zona mais afetada”, mas que se registaram ocorrências em “Vila Real, Tavira e Casto Marim”, sobretudo “inundações na via pública, sem danos de maior” que foram resolvidas ainda na quinta-feira.

Pub