Inicio | Sociedade | Cientistas isolam no Algarve microalga com potencial alimentar e biotecnológico

Cientistas isolam no Algarve microalga com potencial alimentar e biotecnológico

Um grupo de investigadores da Universidade do Algarve (UAlg) conseguiu isolar uma espécie de microalga, a tetraselmis CTP4, que pode ser cultivada à escala industrial, aplicando-se ao setor alimentar, para produzir biodiesel e até para tratar esgotos.

Luísa Barreira, especialista em Biotecnologia Marinha, contou à Lusa que já foi possível isolar mais de uma centena de espécies diferentes de microalgas, um processo complexo que tem vindo a ser feito nos laboratórios do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) da UAlg.

De acordo com Luísa Barreira, trata-se de seres vivos que são abundantes no meio marinho, podendo sobreviver em água doce ou salgada, e extremamente pequenos, apenas visíveis ao microscópio, com um tamanho máximo que rondará os 0,02 milímetros de diâmetro, mas muito robustos e que podem ser cultivados à escala industrial.

A tetraselmis, que neste caso foi colhida na Ria Formosa, além da alimentação humana, pode também ser usada na produção de rações para peixes, biocombustíveis e até para tratar esgotos, refere a cientista, sublinhando que “as aplicações biotecnológicas são imensas”.

A investigadora refere que já há alguns anos que o grupo de investigadores faz bioprospeção para microalgas marinhas que pudessem ser aplicadas à produção de biocombustíveis, pela abundância de lípidos, o que as torna convertíveis em biodiesel. São também fonte de proteínas.

Neste momento, acrescenta, em conjunto com o seu parceiro industrial, a cimenteira Secil, o grupo está a procurar novos mercados e formas de aplicação, não só o biodiesel, “que acaba por ser um produto barato e acaba por valorizar pouco esta microalga”.

Em Portugal existe desde 2016 uma unidade de produção de microalgas, a Algarfarm, localizada no parque empresarial da Secil, em Alcobaça, no distrito de Leiria. A unidade foi desenvolvida para mitigar o dióxido de carbono (CO2) decorrente da produção de cimento.

No entanto, a investigadora acredita que até o produto poder ser comercializado para a alimentação humana ainda vai ser preciso algum tempo, uma vez que ainda terá que passar por um processo de aprovação pela União Europeia para poder integrar a lista de novos alimentos (“novel food”).

“As microalgas não são consideradas ainda um alimento tradicional e esta microalga para poder realmente ser comercializada para a alimentação humana, precisa de passar por um processo de aprovação na UE, o que ainda demiora algum tempo”, considera.

São considerados novos alimentos aqueles que não eram consumidos de forma significativa na União Europeia (UE) antes de 15 de maio de 1997, quando o primeiro regulamento sobre novos alimentos entrou em vigor.

Ao abrigo de uma parceria com o CCMAR, o ‘chef’ de cozinha algarvio Leonel Pereira está a testar o uso de tetraselmis no seu restaurante em Almancil.

A tetraselmis é uma microalga cosmopolita, uma espécie que existe praticamente por todo o mundo, e que pode sobreviver tanto em água doce ou água salgada.

Verifique também

Despiste de motociclo provoca um morto no concelho de São Brás de Alportel

Um homem morreu ontem na sequência do despiste do motociclo que conduzia, na zona de …

Folha do Domingo

GRÁTIS
BAIXAR