Pub

Em jeito de conclusão escrevo estas notas finais para fazer uma síntese, lançar um desafio e deixar um convite.

A nossa ida a Budapeste constituiu um verdadeiro tempo de graça e de encontro com Senhor que não podemos deixar cair. As orações e a celebração diária da Eucaristia, as catequeses e os testemunhos foram oportunidades de interpretar a prática da Fé e celebrá-la com a Igreja Universal nas suas diferentes características e possibilidades. Destes dias uma constatação, uma organização exemplar onde tudo convergia para a comunhão de quem se descobre povo a caminho com a certeza de que “todas as nossas fontes estão nEle” (Sl 87, 7). Quero deixar aqui uma referência especial à Paróquia de S. Ladislau, que nos acolheu para a celebração dos congressistas de língua portuguesa. Foram inexcedíveis! A celebração, o cuidado com os cânticos, o “Avé de Fátima”, o convívio a seguir, tudo nos motivou a uma vivência universal do convite que o Senhor nos faz a participar no Seu banquete.

Um momento muito interessante que se repete em cada ocasião congénere é o da celebração do Sacramento da Reconciliação. Não estando tão acessível para o todo como esteve para a parte, foi um momento muito bonito onde a linguagem da iniquidade e da piedade se entendem como reconhecimento de queda e certeza de perdão. Participar num Congresso Eucarístico Internacional tem estas dimensões todas. Não estamos em nosso nome, estamos em nome da Igreja para uma experiência de Igreja.

Foi a segunda vez que tive a possibilidade de participar em nome da minha diocese, como seu delegado, numa iniciativa destas. Em 2012 participei no Congresso Eucarístico Internacional de Dublin. Desde essa altura já o meu encanto com a beleza da possibilidade de então, me tinha motivado a repetir a experiência. Como estou grato por esta hipótese! Integrei o grupo nacional que foi ao longo de toda a semana um verdadeiro testemunho de comunhão e unidade, por isso, também estou muito agradecido. Em Budapeste fomos caminhando desde a primeira hora com os que já estavam e com os muitos que foram povoando a cidade na expectativa de nos encontrarmos com o sucessor de Pedro, o Papa Francisco, que no último dia nos exortou a responder com actos que expressem a nossa Fé, à pergunta: – “e vós quem dizeis que eu Sou?” (Mc 8, 27).

Poderia concluir em jeito de síntese muito particular que estes 7 dias pareceram um só, tal não foi a intensidade proposta e vivida, e a possibilidade de estarmos com a Igreja toda, mesmo em tempo de covid.

Ao concluir estas partilhas, deixo o desafio de nos lançarmos numa redescoberta eucarística onde centremos a vida e as opções pessoais, comunitárias e eclesiais. Estar silenciosamente diante de Jesus é um desafio supremo de amor e de silêncio, e especialmente, o meio para alcançarmos a meta que é a comunhão com Ele… Tantos testemunhos e tantos frutos têm as igrejas locais descoberto com este meio precioso de encontro com o Senhor. Desafio, vivamente, cada cristão da nossa diocese, enquanto vosso representante em Budapeste, a viverdes o “Lausperene Diocesano” que se aproxima como porta de entrada dos desafios seguintes que possam surgir diante de nós: – fazer das nossas comunidade, comunidades eucarísticas porque como tantas vezes repetimos “Igreja vive da Eucaristia”. Muito obrigado ao jornal “Folha do Domingo”, da Diocese do Algarve e ao site “Educris”, do Secretariado Nacional da Educação Cristã, pela possibilidade que me deram de trazer Budapeste a Portugal através de pequenos relatos e testemunhos que ficando aquém do vivido, expressam o além do que se quer viver.

Em 2024 o próximo Congresso Eucarístico Internacional será no Quito-Equador. Porque não começar já a responder a este convite que a Igreja nos faz de dedicarmos um tempo a contemplar o mistério da nossa Fé, que é a presença real do Senhor? As cartas estão na mesa e o caminho para lá chegarmos já sabemos qual é, o silencio diante de Deus que nos ama na presença real de Seu Filho.

Até lá seja o que Deus quiser!

Padre Pedro Manuel, delegado da Diocese do Algarve
ao CEI – Budapeste 2020 (em 2021)

Pub