Pub

irmas_dominicanas_paderneAo fim de 30 anos de presença em Portimão, as irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena deixaram aquela cidade para se sedearem em Paderne.

O bispo do Algarve presidiu na passada sexta-feira à eucaristia de celebração da abertura da nova comunidade naquela paróquia que contou também com a presença do pároco local, o padre Pedro Manuel, e da superiora provincial da congregação das irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena, a irmã Maria Clarinda Gaspar.

irmas_dominicanas_paderne-1A paróquia de Paderne voltou agora a ter a presença e colaboração de uma comunidade religiosa. Recorde-se que as irmãs Filhas Maria Auxiliadora (salesianas), cuja comunidade algarvia teve ali sede durante vários anos, teve em 2007 de deixar de colaborar com aquela paróquia para vir para Faro assumir o Colégio de Nossa Senhora do Alto, substituindo as irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição.

Isso mesmo o lembrou o bispo do Algarve na eucaristia de sexta-feira, considerando que conseguiu agora “retificar” a sua decisão.

A presença das irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena no Algarve remota ao ano de 1899 quando a fundadora da congregação, a irmã Teresa de Saldanha, a pedido do então bispo do Algarve, D. António Mendes Belo, abriu em Lagoa um colégio e uma escola para meninas pobres num antigo convento de carmelitas. Aí permaneceram as religiosas até serem expulsas no contexto da implantação da República, em 1910.

Após 76 anos da saída de Lagoa, as suas irmãs dominicanas voltaram ao Algarve, dedicando-se à evangelização, educação e promoção de crianças e jovens em risco do sexo feminino na Casa de Nossa Senhora da Conceição, em Portimão, concretamente no Lar de Crianças e Jovens da Imaculada Conceição.

A comunidade algarvia de Nossa Senhora da Esperança de Paderne das irmãs dominicanas é composta por três religiosas.

Pub