Pub

Campo_ferreirasO presidente do clube desportivo de Ferreiras disse ontem que os prejuízos provocados pelo temporal de domingo “são consideráveis”, apesar de não ter ainda estimativas, e poderão determinar o adiamento dos jogos do próximo fim-de-semana.

“Passámos o dia em limpezas e assim continuaremos nos próximos dias. Era, para já, a grande preocupação. Ainda é cedo para dar qualquer estimativa sobre o valor mas o prejuízo é considerável”, afirmou à agência Lusa António Colaço.

A chuva que caiu ininterruptamente durante várias horas provocou estragos nos dois campos relvados – o principal de relva natural e o secundário de piso sintético – e nas instalações do parque desportivo, incluindo balneários, posto médico, rouparia, lavandaria, bar e restaurante.

“O relvado sintético está mais degradado e não pode ser usado. O estrago é reparável mas dispendioso. Quanto ao relvado natural, vamos tentar recuperá-lo nos próximos dias. Precisa de muito sol”, disse o dirigente do Futebol Clube de Ferreiras.

Na quarta-feira, consoante a recuperação do espaço, o emblema e a Associação de Futebol do Algarve vão decidir sobre o possível adiamento dos jogos que estavam previstos para o campo principal no próximo fim-de-semana.

Nos espaços interiores, vários equipamentos elétricos estão avariados ou estragados, além de outros materiais afetados pela água e pela lama, não existindo ainda um valor apurado para os estragos.

Segundo António Colaço, mais de 20 pessoas ligadas ao clube, entre dirigentes e sócios, além de uma equipa enviada pela câmara albufeirense, estiveram hoje envolvidas na limpeza do parque desportivo.

O presidente da Câmara de Albufeira estimou ontem em “largos milhares de euros” os prejuízos causados pelas inundações de domingo, que abrangem redes de esgotos, águas e eletricidades, estradas e ruas, um pouco por todo o concelho, e praias também.

No centro da cidade de Albufeira, a zona mais atingida pelas fortes chuvas e onde a água atingiu cerca de 1,80 metros de altura, as equipas de limpeza e os comerciantes estão, desde manhã, a tentar remover lamas e objetos arrastados pela corrente.

Pub