Pub

“É uma guerra entre David e Golias. Diz a história que só a cota de malha de bronze que usava Golias pesava o mesmo que David e, extrapolando isto para a dimensão económico-financeira do Benfica, dos seus jogadores e do plantel, sabemos que existe uma diferença abismal entre as duas equipas”, reconheceu Daúto Faquirá, na antevisão da partida.

O técnico dos algarvios acrescentou, porém, que essa diferença “confere mais responsabilidades ao Benfica, que tem uma obrigatoriedade, em termos teóricos, de ganhar ao Olhanense”.

“Para nós, vai ficar aquela percentagem mínima de ganhar, mas vamos jogar com ela. O treinador do Benfica sabe que somos uma equipa organizada, com muita estabilidade emocional e pode ser que se faça história”, frisou Faquirá.

O Olhanense já jogou na Luz esta época e perdeu (2-0), em partida da 11.ª jornada da Liga, sendo que esta será a primeira visita no espaço de uma semana: no dia 19, repete-se a ida à Luz, dessa vez em jogo da segunda jornada da fase de grupos da Taça da Liga.

Recordando essa visita, Daúto Faquirá disse que a sua equipa esteve perto de pontuar: “Estivemos perto de fazer um jogo, não diria perfeito, mas que nos permitisse tirar pontos. Estivemos consistentes, concentrados, firmes, fomos audaciosos e procurámos explorar os pontos fracos do Benfica. Se fizermos um jogo próximo daquilo que fizemos, se calhar chegando mais vezes à baliza rival, estaremos perto de fazer história e concretizar um feito memorável”.

O “onze” a utilizar “não estará longe” do que fez alinhar no domingo diante do Rio Ave, disse Daúto Faquirá, que tem alguns jogadores condicionados e apenas confirmou o guarda-redes Ricardo Batista como titular.

O jogo entre Benfica e Olhanense, segundo e nono classificados na Liga, com 33 e 19 pontos, respetivamente, está agendado para as 18:45 de quarta-feira, no Estádio da Luz, com arbitragem de Paulo Baptista (Portalegre).

Lusa

Pub