Pub

“Finalmente, temos o regresso a casa depois deste périplo pelo país e de cinco jogos em várias frentes. É bom regressar para perto dos nossos sócios e queremos fazê-lo com um triunfo, prolongando o nosso excelente desempenho caseiro”, disse hoje Daúto Faquirá, na antevisão da partida.

A equipa de Olhão ainda não perdeu esta época em casa, em nove jogos disputados para o campeonato e para as duas taças, pelo que o grupo quer manter a equipa imbatível no seu reduto.

“Depois de termos conseguido a primeira vitória fora este mês, diante do Rio Ave, o regresso a casa terá outro sabor e outro colorido se conseguirmos o triunfo, com o qual estaremos ainda mais perto do nosso objetivo”, considerou o técnico.

Do outro lado, estará a Académica, em igualdade pontual com os algarvios na tabela: “É uma equipa com muito valor, com bons jogadores, organizada e que manteve os aspetos positivos que tinha do treinador anterior [Jorge Costa] com um novo treinador, inteligente, que tem tentado dar o seu cunho pessoal à equipa sem lhe retirar a sua força que ela tinha, nas transições e com jogadores que desequilibram”.

Com cinco jogadores lesionados e vários elementos queixosos, com mazelas e outras limitações, o técnico só poderá saber qual o “onze” que vai entrar em campo pouco tempo antes do jogo.

“O cansaço acumulado pelos cinco jogos feitos em janeiro, e as mazelas normais resultantes desse facto, fazem com que não tenha uma ideia clara dos jogadores que vão jogar”, disse Daúto Faquirá.

Ainda assim, o treinador do Olhanense promete uma equipa competitiva: “O último jogo [derrota com o Benfica, por 3-2] provou o que já tenho dito, que temos um grupo de jogadores competitivo e, quer jogue a, b ou c, vamos estar fortes e conseguir os três pontos.”

O Olhanense, décimo classificado, recebe sábado, no Estádio José Arcanjo, a Académica, 12ª, ambos com 19 pontos, em jogo marcado para as 16:00, com arbitragem de Rui Silva, de Vila Real.

Lusa

Pub