Inicio | Igreja | Diocese do Algarve tem apostado na inclusão de pessoas portadoras de deficiência

Diocese do Algarve tem apostado na inclusão de pessoas portadoras de deficiência

Foto © Samuel Mendonça

D. Manuel Quintas, bispo do Algarve, considera que a diocese tem correspondido à necessidade de integrar as pessoas com deficiência na vida das comunidades e de construir uma Igreja inclusiva.

Um trabalho muito centrado na capacidade de luta das famílias que vivem mais de perto esta realidade, sublinha o responsável.

“Verificamos que era um campo onde era necessário apostar urgentemente na Igreja”, começa por recordar D. Manuel Quintas, para quem também foi importante o estímulo dado pelo papa Francisco, com palavras e gestos.

“É preciso sair para todas as periferias, não apenas geográficas, mas sobretudo humanas, existenciais”, acrescentou, em entrevista para o programa Ecclesia (Antena 1).

Antes da criação do serviço diocesano, houve duas jornadas diocesanas, que levaram à conclusão de existir capacidade para “estruturar” a equipa.
“O balanço é positivo: além do número significativo de participantes, as pessoas não vão ali apenas para receber, vão também para dar, partilham a sua própria vida”, declara o bispo do Algarve.

Cesariano Martins, coordenador diocesano do Serviço Pastoral a Pessoas com Deficiência no Algarve, fala dos desafios que se colocam neste campo, apesar de a realidade estar a mudar, com a consciência da necessidade de integrar todas as pessoas.

“Tudo partiu da iniciativa de alguns pais, apoiados pela equipa nacional e, de forma incondicional, desde a primeira hora, do senhor bispo”
A equipa foi formada em finais de 2015 e encontrou, desde então, “uma nova consciencialização das pessoas”, que já não querem “esconder a deficiência”.

“A integração é o melhor para todos, a quem tem deficiência e não só. É novo para toda a gente”, admite.

O movimento começa pelos pais e abre-se a toda a sociedade, que “não estava preparada” para acolher esta realidade.

“A palavra deficiência tem uma conotação negativa”, lamenta.

No sul de Portugal, as jornadas para pessoas com deficiência têm ajudado a construir um caminho em conjunto, mas ainda é necessário trabalho para quebrar preconceitos e barreiras físicas.

“Pretende-se que as pessoas estejam efetivamente incluídas e se sintam parte da nossa comunidade, enquanto cristãos, podendo, pelas suas convicções, participar em tudo”, algo que neste momento “ainda não é possível”.

As respostas para pessoas com deficiência física ou mental ainda são “poucas”, mas existe abertura por parte das paróquias, abrindo as portas a todos, “na plenitude dos seus direitos”.

Cesariano Martins, que tem um filho autista, elogia o trabalho já realizados em setores como o da catequese.

“Queremos que todas as pessoas possam ser pertença da Igreja”, conclui.

O tema da Pastoral a Pessoas com Deficiência esta hoje em destaque na edição semanal da revista Ecclesia, dia em que começa a peregrinação jubilar a Fátima dedicado a este setor da ação da Igreja Católica.

Verifique também

Igreja do Algarve vai dar formação básica a novos catequistas

O Sector da Catequese da Infância e Adolescência da Diocese do Algarve promove a partir …