Pub
Jorge Botelho afirmou que participaram cerca de 500 pessoas no orçamento participativo, das quais 23,9 por cento fizeram propostas na área da educação, 14,2 por cento na ação social e 11,6 relativas ao desenvolvimento económico e obras.

O presidente da Câmara de Tavira manifestou-se satisfeito com os resultados do processo por significar “uma confirmação da estratégia que está a ser seguida pelo município, ao dar atenção prioritária à educação e à ação social”.

Jorge Botelho explicou que muitas das propostas apresentadas no principal item, o da educação, tem a ver com a requalificação de espaços escolares existentes em várias freguesias do concelho.

“Há uma intervenção importantíssima nas questões da escola, da igualdade de oportunidades e de dar condições físicas para que as crianças possam aprender com qualidade”, afirmou, reconhecendo que pode haver relação entre estas preocupações manifestadas pelos participantes e a redução dos apoios do Estado à educação.

O autarca sublinhou que algumas das propostas apresentadas “já foram colocadas no orçamento da autarquia para 2013”, frisando que “o curto espaço de tempo que houve entre o fim do prazo para apresentação de requerimentos e apresentação dos resultados”, feita ontem.

Jorge Botelho adiantou que, das 25 propostas que a autarquia colocou a votação, a que obteve mais votação foi a da reabilitação do Cineteatro António Pinheiro, principal sala de espetáculos da cidade, que obteve 8,8 por cento de apoio.

O município revelou ainda num comunicado que 48,1 por cento dos participantes tomou conhecimento do processo pela Internet ou através de amigos e vizinhos (17,1%), sendo motivados a participar para exercer os seus direitos de cidadania (41,9%) ou para ajudar a sua comunidade de residência (25,9%).

“A esmagadora maioria considerou a sua participação muito útil ou útil (88,3%), encorajando o município de Tavira a aprofundar a utilização do Orçamento Participativo no processo de elaboração das Grandes Opções do Plano e do Orçamento Municipal em cada ano”, concluiu.

Lusa
Pub