Pub

“É de realçar a capacidade de marcar dois golos diante de uma equipa como o Sporting. Há muito mérito como conseguimos reagir à adversidade, num jogo que não merecíamos estar a perder, pois liderámos em todos os registos estatísticos e fomos claramente superiores”, disse.

Faquirá acrescentou que o resultado “teve um sabor especial”: “Saímos obviamente satisfeitos. Gostávamos de ter mais dois pontos mas em função do que foi o jogo, aceito o resultado e dou os parabéns à minha equipa.”

O treinador do Sporting queixou-se de “lances capitais com grande influência” no empate (2-2) com o Olhanense, na 19.ª jornada da Liga de futebol, mas admitiu ter sido “bem expulso”, pedindo desculpa ao árbitro Olegário Benquerença pelos “protestos exuberantes”.

“Demonstrámos por vezes momentos de grande imaturidade nos erros que cometemos. E, pela segunda semana consecutiva, deitámos tudo a perder. Houve erros nossos, com más decisões nos inícios das jogadas, mas há lances capitais que tiveram grande influência no resultado”, disse Paulo Sérgio, na conferência de imprensa após a partida, realizada sábado à noite.

O técnico do Sporting foi expulso, aos 80 minutos, devido a protestos contra o árbitro leiriense, chegando mesmo a entrar dentro de campo de dedo em riste: “Estava de cabeça quente, fui expulso e bem expulso”.

“Foram protestos exuberantes, mas não ofendi ninguém. Não podia estar satisfeito com lances capitais da partida que ajudaram à intranquilidade da minha equipa. Já tive oportunidade de lhe pedir desculpa, não podia ter protestado daquela maneira, mas mantenho a opinião sobre esses lances mal julgados”, explicou.

Quanto ao jogo, o treinador do Sporting viu uma “partida equilibrada e tática”, onde a sua equipa fez “o mais difícil”.

“O Olhanense tem feito excelente temporada e demonstrou-o aqui, com boa organização, e nós fizemos o mais difícil. Em dois/três minutos, fruto de alguma imaturidade e também algo mais, deitámos tudo a perder”, considerou.

Sobre o futuro, Paulo Sérgio garantiu que a equipa vai “reerguer-se, trabalhar, pensar positivo”, e quanto ao facto de Hélder Postiga ter mostrado capacidade para ocupar o lugar Liedson, o técnico foi direto: “O Postiga ocupa o lugar dele, o Liedson já cá não está, não falo sobre o Liedson.”

Questionado sobre a promessa que tinha feito de dedicar uma vitória no jogo de Olhão a Costinha, o técnico do Sporting disse: “Já devo tantas a tanta gente…”

Folha do Domingo/Lusa
Pub