Pub

As irmãs Maria de Lurdes Alves (E) e Maria Hermínia Lopes (D)
As irmãs Maria de Lurdes Alves (E) e Maria Hermínia Lopes (D)

O Instituto das Franciscanas Missionárias de Maria (FMM) elegeu a irmã Maria Hermínia Lopes como Superiora Provincial, para o quadriénio 2015-2019.

A religiosa trabalhava no Algarve há 34 anos, na comunidade de Porches da congregação, e vai substituir no cargo a irmã Maria de Lurdes Alves que era Superiora Provincial do instituto desde outubro de 2007.

A indicação do resultado da eleição chegou de Roma na passada segunda-feira e a eleita irá, a partir de outubro, regressar a Lisboa para residir na Casa Provincial.

A irmã Maria Hermínia Coelho Lopes, natural de Pindo, concelho de Penalva do Castelo, distrito de Viseu, entrou no instituto em 1970, tendo feito o postulantado em Lisboa e o noviciado em Braga. Professou os primeiros votos em 1973 e os votos perpétuos em 1980.

Em declarações ao Folha do Domingo, a irmã mostrou-se surpreendida com a notícia e considerou que a missão que a espera “não é fácil”. “É preciso uma grande disponibilidade”, referiu, sublinhando que o importante é fazer a “vontade de Deus”. “Estamos ao serviço da província de Portugal. Não é fácil acolher uma notícia destas, mas o nosso compromisso como religiosas, nesta disponibilidade e nesta entrega, passa também por esta doação e disponibilidade para estar ao serviço”, sustentou.

A congregação das FMM foi fundada no século XIX, por Hélène de Chappotin, e tem como principais pilares a oração e o espírito missionário. Apoiando-se nos exemplos de Maria e de São Francisco de Assis, procura difundir uma mensagem de vida, verdade, caridade e de paz.

Conta com quase sete mil religiosas, espalhadas por diversas missões em 76 países, e em Portugal, as primeiras missões foram fundadas em 1895, primeiro com uma obra a favor dos operários, logo seguida de uma instituição destinada à formação de candidatas à vida religiosa. No Algarve existe apenas a comunidade de Porches, depois do encerramento das comunidades de Martim Longo em 2011 e de Odiáxere em 2014.

Pub