Breves
Inicio | Ambiente | Guia dá a conhecer 200 plantas do sudoeste alentejano e costa vicentina

Guia dá a conhecer 200 plantas do sudoeste alentejano e costa vicentina

Capa
Capa

A região do sudoeste alentejano e costa vicentina vai ter um guia dedicado às suas plantas características, uma forma de ajudar profissionais de turismo, animação e educação ambiental, mas também de aproximar os habitantes da natureza.

O livro “200 Plantas do SW Alentejano&Costa Vicentina” é apresentado pelas suas autoras, Ana Luísa Simões e Ana Carla Cabrita, como o primeiro guia de flora para esta zona portuguesa e é constituído por fichas com a fotografia de cada planta, o nome científico da espécie, a família botânica, os nomes comuns e uma pequena descrição.

A edição bilingue, em português e inglês, inclui informações sobre 200 plantas, das cerca de mil existentes na costa sudoeste de Portugal, como a altura da planta, o período de floração, o ciclo vegetativo, o habitat e o estatuto de proteção, refere uma informação das autoras, divulgada na sexta-feira.

No sudoeste alentejano e na costa vicentina, zona com o estatuto de Parque Natural, encontram-se vários endemismos, ou seja, espécies características desta zona, uma das razões, além das praias, que levou ao desenvolvimento do turismo natureza e à observação de aves.

A diplotaxis siifolia subsp. vicentina é um dos casos de planta com estatuto de proteção, pois é considerada geográfica e demograficamente rara e é no Cabo de São Vicente, em Sagres, que se encontra a subpopulação com maior número de indivíduos, segundo a informação das autoras.

A obra foi preparada ao longo de dois anos, em que as autoras fotografaram, investigaram e compilaram toda a informação, contou com a colaboração de José Rosa Pinto, professor da Universidade do Algarve, e teve o apoio da Direção Regional de Cultura do Algarve.

“A divulgação dos valores naturais torna-se fundamental para que o património natural seja respeitado de forma a salvaguardar a sua riqueza natural. Entre as principais ameaças causadoras de fenómenos de rarefação de várias espécies encontra-se o pisoteio, a expansão urbano-turística ou extrações ilegais de areias”, salientam.

Verifique também

Voluntários recolhem mais de duas toneladas de lixo na ilha da Culatra

Um grupo de voluntários recolheu ontem mais de duas toneladas de detritos na ilha da …