Breves
Inicio | Opinião | “HORAS PASTORAIS”

“HORAS PASTORAIS”

Um saudoso e bom amigo, prematuramente falecido, o Senhor Leonel Horta, falou-me um dia com grande entusiasmo, recordo-me que até os seus olhos brilhavam enquanto falava, de D. Júlio Tavares Rebimbas, Bispo do Algarve. O que esse benemérito empresário farense me disse então, e já lá vão mais de dez anos, a propósito do Senhor D. Júlio, que agora também nos deixou, posso ainda sintetiza-lo nesta expressão que de forma genuína, espontânea e absolutamente desinteressada brotou da sua boca: "Aquilo, sim, é que era um Bispo, um grande Bispo!"

Na altura, fiquei a pensar sobre o que é que quase trinta anos depois de D. Júlio ter deixado o Algarve, poderia estar na origem de uma tão intensa saudade e de uma tão positiva impressão por parte de um cristão leigo em relação ao seu antigo Bispo. A resposta encontrei-a pouco depois, ao folhear o livro "Horas Pastorais" que descobri na Biblioteca do Seminário de S. José, publicado em 1971 pela Tipografia União, onde através de uma compilação de mensagens, homilias e narração de episódios curiosos, (como aquele da visita surpresa a Odeleite, onde foi recebido com os sinos a repicar e aldeia concentrada no adro da igreja, porque uma jovem camponesa o reconheceu no caminho e correu apressadamente à sua frente a avisar toda a gente que o bispo vinha aí) D. Júlio nos dá conta do que foram as primeira horas do seu longo e rico ministério episcopal, primeiras horas que foram vividas "no meio do Tempo e do Povo do Algarve", como ele próprio escreveu em subtítulo.

Chegado ao Algarve, com apenas quarenta e três anos, um jovem bispo, na força da vida, com uma notável experiência pastoral paroquial, como Pároco em Avelãs de Cima, Avelãs de Caminho e Ílhavo e de administração diocesana, como Vigário Geral e Governador da Diocese de Aveiro, D. Júlio tinha todas as condições para desenvolver um grande ministério episcopal, como de facto veio a acontecer. A tudo isso, acresceu ainda uma circunstância excepcionalmente auspiciosa para se iniciar, como ele iniciou no Algarve, uma grande carreira episcopal. É que D. Júlio, eleito Bispo do Algarve em Setembro de 1965, foi directamente para Roma onde tomou parte, na última sessão do II Concílio do Vaticano, acontecimento que o marcou para sempre. Ordenado Bispo no dia 26 de Dezembro de 1965, mal chegou ao Algarve, o seu programa foi aplicar a doutrina conciliar à vida prática da nossa Igreja diocesana, o que por si só constituiu uma grande novidade, numa renovação de métodos e de acção pastoral, num dinamismo e numa criatividade tais, que deixaram marca e saudade em todos os algarvios. Só para dar um pequeno exemplo: o projecto de construção do Centro Social e Pastoral de Ferragudo, vem do seu tempo. Interrompido com a sua partida em 1972, só muito mais tarde, quando o Algarve voltou a ter um grande e dinâmico Bispo, é que o mesmo foi retomado e concretizado. Por isso, correspondendo ao convite de D. Manuel Madureira Dias, D. Júlio, então Arcebispo – Bispo do Porto, esteve presente, no dia 8 de Janeiro de 1997, em Ferragudo, na inauguração do Centro Pastoral e voltou ao Algarve, já como Bispo emérito, para no dia 3 de Setembro de 2000, participar em Silves, na ordenação episcopal de D. Manuel Neto Quintas.

Eleito Arcebispo de Mitilene, em 11 de Julho de 1972, rumou a Lisboa e entregou a Diocese do Algarve, a Monsenhor Sezinando Oliveira Rosa, que dela veio tomar posse por Procuração do novo Bispo D. Florentino. O último dia da sua presença como Bispo do Algarve, contou-me há uns anos o próprio Monsenhor Sezinando, foi passado a passear por Faro e terminou com um almoço íntimo de despedida na praia de Faro. Chorou na hora da partida, chorou sempre que teve de mudar de Diocese, como confessou numa entrevista que deu a um jornal do Porto: "chorei, chorei sempre que tive que partir", disse, referindo-se à sua vida de Bispo itinerante que começou no Algarve, passou por Lisboa e por Viana do Castelo, onde foi o primeiro Bispo diocesano e terminou na grande Diocese do Porto.

Se D. Júlio chorou ao deixar o Algarve, não é menos verdade que os algarvios ficaram a chorar por ele e jamais o esqueceram, guardando dele uma enorme gratidão e saudade, pelo breve tempo do seu inesquecível serviço episcopal, que "soube a pouco"!

É para a nossa Diocese, uma grande honra, que os anais da história registem na cronologia dos Bispos do Algarve o nome do Senhor D. Júlio Tavares Rebimbas, um dos maiores Bispos portugueses do século vinte e ainda que em 1965 ele tenha sido eleito para Bispo do Algarve, aqui iniciando um singular e notável serviço episcopal. Como São Paulo, também ele, incansável e apostólico pastor da Igreja pode dizer: "Combati o bom combate. Terminei a minha carreira, guardei a fé!

P.S. Exactamente à mesma hora em que se celebravam na Sé Catedral do Porto as exéquias de D. Júlio, decorriam a cerca de dez quilómetros, na Igreja Paroquial de São Salvador de Matosinhos, as exéquias de meu pai. Que ambos descansem em paz.

Verifique também

Uma Vida de Fé!

Desde muito novo, quando o conhecemos, que nele admirávamos a fé irradiante de que era …