Breves
Inicio | Sociedade | Insegurança alimentar afeta 24% das famílias no Algarve

Insegurança alimentar afeta 24% das famílias no Algarve

A insegurança alimentar, indicador que mede a falta de acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, afeta 24% das famílias no Algarve, revela um estudo hoje apresentado, baseado num universo de 384 agregados familiares.

O estudo resulta de um inquérito conduzido este verão por uma equipa de nutricionistas, visando traçar um retrato das dificuldades que as famílias algarvias têm no acesso à alimentação, assim como avaliar o grau de adesão ao padrão alimentar da dieta mediterrânica, disse Artur Gregório, da associação de desenvolvimento e cidadania In Loco.

Das respostas obtidas, concluiu-se que 24,2% das famílias no Algarve apresentam um nível de insegurança alimentar ligeiro, o que significa que, no seio daqueles agregados, “existe uma preocupação ou incerteza quanto ao acesso aos alimentos no futuro ou à qualidade adequada dos alimentos”, indicou Ezequiel Pinto, um dos autores do estudo.

Dos inquiridos, 26% manifestaram preocupação pelo facto de os alimentos em casa poderem acabar antes que tivessem dinheiro para comprar mais, o que aconteceu em 6% das famílias, enquanto em 14% dos agregados houve a necessidade de consumir “apenas alguns alimentos que ainda tinham em casa, por terem ficado sem dinheiro”, ilustrou.

O nutricionista, que dirige o curso de Dietética e Nutrição da Escola Superior de Saúde da Universidade do Algarve, sublinhou que os hábitos tabágicos, o consumo de álcool, o facto de haver um elemento desempregado no agregado e a má perceção do estado de saúde são fatores que aumentam os níveis de insegurança alimentar.

Segundo aquele responsável, o estudo permitiu ainda concluir que “a população algarvia está a afastar-se da dieta mediterrânica”, sendo que apenas 24,7% revelou “boa adesão” a este padrão alimentar, o que significa que “há mais insegurança alimentar quando há menos adesão à dieta mediterrânica”.

A maioria dos inquiridos no estudo “O estado da alimentação no Algarve: resultados da avaliação regional do estudo de segurança alimentar” são mulheres, acima dos 60 anos.

Dos 384 participantes, a maioria é responsável pela compra e confeção dos alimentos no seu agregado familiar, sendo que 57% têm peso a mais, embora tenha classificado o seu estado de saúde como “razoável” (44%) ou bom (39%).

O estudo foi apresentado durante o primeiro dia da “Universidade Pensar Global, Agir Local”, organizada pela Associação In Loco em parceria com a Câmara de Loulé, e que este ano decorre sob o tema “Alimentação: o retrato da população”.

A equipa do Observatório de Segurança Alimentar do Algarve concluiu a primeira de fase dos trabalhos deste projeto-piloto com a aplicação “InfoFamília” – inquérito de avaliação do estado da insegurança alimentar -, e do Predimed – inquérito de avaliação da adesão ao padrão alimentar da Dieta Mediterrânica -, em todos os 16 municípios do Algarve.

O próximo passo do projeto é a distribuição, no primeiro trimestre de 2018, de um “kit” de sensibilização e educação alimentar, que inclui um vídeo com boas práticas, um manual para qualquer pessoa poder realizar ações desta natureza e um livro de receitas e truques para os agregados familiares.

Verifique também

Bastonário diz que falta de médicos no Algarve “é grave” e compromete segurança dos utentes

O bastonário da Ordem dos Médicos classificou ontem como “gravíssima” a falta de médicos nos …