Breves
Inicio | Cultura | Já não chove dentro da igreja de Giões. Matriz reabriu no passado domingo depois das obras

Já não chove dentro da igreja de Giões. Matriz reabriu no passado domingo depois das obras

Reabertura_igreja_gioes (16)
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A igreja matriz de Giões reabriu no passado domingo à tarde, 23 de dezembro, após obras de conservação que puseram fim à situação de degradação a que o templo se via votado, particularmente quando chovia, com a prejuízo do teto, dos altares, do pavimento, das pinturas e até da própria estrutura do edifício.

Reabertura_igreja_gioes (6)
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

As obras de recuperação daquela igreja do nordeste algarvio, realizadas ao abrigo do acordo estabelecido com o Estado, através da Direção-Geral das Autarquias Locais (DGAL), tiveram início em março deste ano, tendo terminado agora.

Reabertura_igreja_gioes (15)
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A reabertura ao culto foi assinalada com a celebração da eucaristia presidida pelo bispo do Algarve. D. Manuel Quintas regozijou-se pela comunidade se poder encontrar novamente naquele “espaço renovado” e “restaurado”. “É um sonho que se vê concretizado e claro que o nosso coração está em festa”, afirmou na eucaristia que teve início com o rito da aspersão.

O prelado lembrou o diácono Albino Martins, ausente por motivos de saúde. “Queremos tê-lo presente na nossa oração, gratos por esta obra que muito se deve a ele, pelo seu dinamismo no envolvimento de todos, inclusivamente do bispo da diocese, e pela colaboração de tanta gente”, afirmou, considerando “muito bom” quando uma obra como aquela “tem a participação de tanta gente nas proporções que são necessárias e possíveis para aqueles que participam”.

O bispo diocesano constatou que “mais facilmente há mobilização de coração” quando ela é “por uma boa causa” e evidenciou a “ação decisiva” do presidente da Câmara para conseguir o fundo que financiou os trabalhos. “Sentindo esta casa nossa, não nos dispensa de também darmos a nossa colaboração de tantas maneiras e de tantos modos”, afirmou, acrescentando querer “dar graças ao Senhor por essa generosidade”.

“Tal como foi possível a renovação desta igreja, o Senhor nos ajude a renovarmo-nos também nós como Igreja que somos. Nós somos templo onde Deus habita e também precisamos de nos renovar interiormente”, prosseguiu.

Reabertura_igreja_gioes (21)
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

D. Manuel Quintas realçou a importância daquela obra no âmbito da reabilitação do património do interior algarvio. “Acho que era preciso continuar com este projeto”, afirmou, apontando como próximo passo – para além da recuperação dos altares daquela igreja que ficaram muito afetados pela chuva de vários anos – o restauro da igreja de Alcoutim.

Reabertura_igreja_gioes (19)
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O pároco de Giões também manifestou o seu agradecimento aos que colaboraram na obra. “Em tempo de Natal, termos aqui a nossa igreja restaurada é uma graça do Menino Jesus”, afirmou o padre Alberto Teixeira.

Reabertura_igreja_gioes (20)
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo
Reabertura_igreja_gioes (17)
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O presidente da Câmara de Alcoutim, Osvaldo Gonçalves, que recordou a caminhada percorrida pelo projeto, manifestou a sua alegria por ver a obra concluída e “muito agradável”, tal como o presidente da Junta de Freguesia local, José Afonso.

Reabertura_igreja_gioes (18)
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O arquiteto explicou que a intervenção incidiu na cobertura, com a sua total substituição, tendo no interior sido substituídos os madeiramentos das naves laterais. Victor de Brito acrescentou ainda que foram reparadas as fissuras nos arcos, bem como o deslocamento de pedras dos mesmos e recuperados os degradados e empolados pavimentos, tendo sido os mosaicos hidráulicos substituídos por pedra por ser um material mais compatível com os tacos de madeira.

Reabertura_igreja_gioes (7)
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Uma das novidades da intervenção foi a construção no exterior de uma rampa de acesso ao interior para pessoas com pessoas com mobilidade condicionada.

A recuperação da igreja de Giões custou 91.500 euros (valor sem IVA), tendo foi comparticipada pelo Estado em 46.000 euros, através do Programa Equipamentos Urbanos de Utilização Coletiva referente a equipamento religioso. A Câmara de Alcoutim contribuiu com 23.000 euros e as paróquias, os sacerdotes e as comunidades religiosas femininas algarvias com cerca de 7.500 euros. A Diocese do Algarve deverá ainda contribuir com cerca de 15.000 euros.

O largo da igreja deverá no próximo ano ser alvo de um arranjo, conforme avançou o presidente da Câmara de Alcoutim, aquando da assinatura do acordo com a DGAL. Osvaldo Gonçalves anunciou um “investimento superior a 100.000 euros” na “zona envolvente da igreja”. “Esse projeto, independentemente de termos ou não financiamento, é para avançar”, acrescentou na altura, explicando que a intervenção terá como objetivo “dar a dignidade que o espaço merece”.

Para além da igreja de Giões também o Complexo Social D. Manuel Madureira Dias do Centro Paroquial de Cachopo beneficiou de um apoio ao abrigo daquele programa para solucionar um problema nas juntas de dilatação do equipamento. A obra de quase 41 mil euros (valor sem IVA) recebeu comparticipação financeira de 20.465 euros, tendo os restantes 50% sido pagos pela Câmara Municipal de Tavira.

Fotogaleria

Verifique também

Sustentabilidade é o mote da Bienal Ibérica de Património Cultural em Loulé

A Bienal Ibérica de Património Cultural elegeu a Sustentabilidade como mote da edição deste ano, …