Breves
Inicio | Igreja | Jovens católicos algarvios celebraram Jornada Diocesana da Juventude em Messines

Jovens católicos algarvios celebraram Jornada Diocesana da Juventude em Messines

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

No contexto da 33ª Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que a Igreja Católica celebrou no passado sábado, cerca de 440 jovens católicos algarvios participaram naquele dia, com o seu bispo, na Jornada Diocesana da Juventude (JDJ), promovida em São Bartolomeu de Messines pelo Sector da Pastoral Juvenil da Diocese do Algarve.

A JDJ teve início logo na véspera, sexta-feira ao final da tarde, com a chegada à Escola EB 1.2.3 João de Deus para a acreditação, a acomodação e o jantar. Após um momento de convívio, os jovens partiram dali para o jardim junto à escola para a abertura da JDJ, onde teria lugar também o concerto com os ‘Graal’, banda oriunda de Lisboa.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O pároco da vila deu as boas-vindas aos jovens, desejando que os dois dias em Messines fossem de “partilha, união, amizade e reflexão no encontro com Aquele que é o caminho, a verdade e a vida: Cristo”. “Sairemos desta jornada, espero, mais unidos e com o nosso coração cheio de amor e de paz”, afirmou o padre Eduardo Colocho, que agradeceu às entidades e instituições que apoiaram a iniciativa. “Vocês são o nosso presente e também o nosso futuro, mas sobretudo a esperança do mundo, de um mundo melhor, mais fraterno, mais unido, mais humano”, disse ainda o sacerdote aos jovens.

Na sessão de abertura, que contou também com a presença do diretor do Departamento Nacional da Pastoral Juvenil, o padre Filipe Diniz, a presidente da Câmara de Silves, Rosa Palma, também deu as boas-vindas a todos e desejou que o encontro fosse produtivo.

O assistente do Sector Diocesano da Pastoral Juvenil (SDPJ), que agradeceu à presidente da Câmara, ao pároco, aos presidentes das Juntas de Freguesia de São Bartolomeu de Messines e de São Marcos da Serra, por toda colaboração com o evento, lembrou a “comunhão com as dioceses de todo o mundo” que naquela mesma data “se reúnem com o seu bispo à volta do Domingo de Ramos, à volta do início da Semana Santa”. “Espero que o senhor bispo do Algarve perceba que os jovens católicos estão felizes por ser Igreja com ele”, afirmou o padre Nelson Rodrigues, desejando que os participantes “saiam fortalecidos da jornada e possam anunciar Cristo nos sítios que frequentam”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Depois da contagem decrescente deu-se então início ao encontro da juventude católica algarvia com o concerto da banda de rock de inspiração cristã convidada, que regressou ao Algarve depois da presença na última edição do Festival Jota em 2015. Os ‘Graal’, compostos por David Henriques (vocalista e guitarrista), Pedro Mota (baixista), Emanuel Domingos (guitarrista) e Samuel Dias (baterista), trouxeram temas do seu álbum de estreia, intitulado ‘Entre o Bem e o Mal’, que apresentaram em 2015. Pelo palco passaram músicas como o ‘18, 38’, ‘Histórias de uma guerra’, ‘Não sejas apenas mais um’, ‘Onde os anjos vão morar’ ou ‘Sem medo de falhar’.

No final do concerto que animou os jovens – não obstante a chuva que caía – o presidente da junta de freguesia local dirigiu-lhes ainda uma mensagem em jeito de desafio. “Vocês não têm que ter medo de errar. Lutem por aquilo em que acreditam”, pediu João Carlos Correia.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

De regresso à escola para a vigília de oração com a imagem de Nossa Senhora e adoração ao Santíssimo Sacramento, os jovens puderam receber o sacramento da confissão administrado pelo bispo do Algarve e por nove sacerdotes.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Indo ao encontro do tema da JDJ que se subordinou ao da mensagem do papa para a XXXIII Jornada Mundial da Juventude – “Não temas, Maria, porque encontrastes graça diante de Deus” (Lc 1,30) –, o padre Filipe Diniz pediu que cada um “não tenha medo de aceitar o seu projeto”. “Com mais fé ou menos fé, Deus toca no nosso coração. Façamos deste um momento de oração, de contemplação, de reconciliação, de nos encontrarmos verdadeiramente com Deus”, acrescentou no início da vigília que prosseguiu orientada por grupos de jovens, terminando já na madrugada de sábado, depois de a maioria se ter confessado.

De manhã, após o despertar, o pequeno-almoço e a oração matinal, os participantes foram divididos em diversos grupos para a realização de atividades distintas. Alguns desses grupos permaneceram em Messines e outros rumaram a São Marcos da Serra. Os primeiros visitaram o lar do Centro Cultural e Social João de Deus e o Polo de Educação ao Longo da Vida, uma instituição de senhoras, visitaram o Museu do Traje e das Tradições e a Casa Museu João de Deus. Experimentaram a declamação de poemas do poeta messinense e realizaram um monólogo de uma peça de teatro daquele educador e pedagogo, autor da cartilha maternal. Visitaram a igreja matriz e as ermidas de São Sebastião e de Nossa Senhora da Saúde, os bombeiros e o Rancho Folclórico local, tendo experimentado alguns passos de dança. Fizeram ainda workshops de capoeira, de bolos de doce fino e jogos tradicionais.

Em São Marcos da Serra visitaram a sede do Serrano Futebol Clube – Associação Desportiva e Cultural, o centro de dia da Associação Humanitária de São Marcos da Serra e o Polo de Educação ao Longo da Vida. Visitaram também a Regionalarte, uma empresa de produção de mel, licores e aguardentes, e tomaram contacto com a produção de folares. Realizaram ainda um workshop de tiro com arco e zarabatana e jogos tradicionais.

Em cada uma das duas freguesias foi pintado um mural que ficou como memorial da JDJ.

De tarde, mesmo antes da eucaristia, teve lugar no adro da igreja matriz um dos momentos mais simbólicos no âmbito da dinâmica de preparação do encontro promovida pelo SDPJ e que teve início nas Vias-Sacras Jovem realizadas em cada uma das quatro vigararias (conjuntos de paróquias).

Os jovens, que foram ao longo das últimas semanas convidados a quatro desafios cujos símbolos foram guardados num frasco, viram um deles – onde escreveram o mandamento que mais lhes custa cumprir – ser queimado como sinal da conversão pessoal pretendida. No seu lugar foi colocada uma mensagem para “ajudar a viver” melhor a próxima Páscoa e os frascos foram devolvidos aos donos no final da missa.

“O frasco representa a vossa caminhada, a vossa vida. Tudo isso ficou destruído lá fora, à porta da igreja. Temos algo novo para vocês. O que nós queremos é que saiam um pouco enriquecidos com aquela que é a mensagem inspiradora da nossa diocese para este ano: edificar a nossa casa sobre a rocha que é o próprio Cristo. E não temos medo disso, não temos medo de edificar a nossa vida em Cristo”, afirmou o padre Nelson Rodrigues no final da eucaristia.

“Temos consciência de que isto implica muitas vezes parecermos uns totós na nossa vida porque somos um grupo muito pequenino que ainda o faz num mar de gente que são os nossos amigos, companheiros. Mas devemos «remar contra a maré»”, insistiu o assistente do SDPJ, considerando que a “dinâmica do jovem cristão” não deve ter uma “pretensão de proselitismo” para “converter todos”. “Tenhamos esta ousadia de não permitir que ninguém nos apague Cristo do coração, que ninguém nos retire a fé. Ninguém está autorizado a apagar a fé da sua vida”, alertou, pedindo aos jovens que testemunhem Cristo.

Na eucaristia, o ponto alto da JDJ, o bispo do Algarve, que presidiu à celebração, recuperou o tema do encontro para lembrar aos jovens que Deus tem “em conta a cada um, com o seu nome, com a sua história pessoal, com a sua vida, com as suas inquietações, com os seus medos, mas também com os seus projetos”. “Não tenhais medo. O importante é enfrentar estes medos e ultrapassá-los. Nós somos mais fortes que os medos. Gostaria que todos levassem daqui este convite: não tenhais medo. Contamos com a força de Deus e a proteção de Maria”, afirmou D. Manuel Quintas na missa concelebrada por vários sacerdotes.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O prelado evocou ainda a bênção de Deus para “aqueles jovens que se interrogam em relação ao seu futuro, e nestes, de maneira particular, aqueles que até se interrogam se podiam entregar a sua vida toda aos outros, a Deus, ou como padres ou como missionários ou missionárias ou como voluntários”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

No final da eucaristia, marcadamente festiva e animada pelo grupo ‘Clavis Dei’ de Albufeira, houve um momento de homenagem a João Mendonça, um dos coordenadores do SDPJ que no final deste ano pastoral deixará a equipa, e foi entregue a cruz da JDJ à paróquia de Castro Marim, anunciada pelo padre Nelson Rodrigues, como a paróquia que acolherá o encontro em 2019.

Fotogaleria

Jornada Diocesana da Juventude 2018

Verifique também

Consagrados a trabalhar no Algarve reuniram-se para refletir como “ser pão para os outros”

O Secretariado Regional do Algarve da CIRP – Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal abriu …