Pub

Miguel Freitas, deputado eleito pelo círculo de Faro, disse hoje que a maioria PSD/CDS-PP, que sustenta o Governo, recusou o consenso para que fosse discutido um pacote de medidas de apoio financeiro destinadas à reconstrução de infraestruturas de populações do Algarve afetadas por fogos florestais.

“A posição do deputado Miguel Freitas é absolutamente excessiva e demagógica e reflete um aproveitamento político, porque as suas declarações foram feitas depois de, na terça-feira, o Governo ter recebido os autarcas do PS que presidem aos concelhos mais afetados pelos incêndios”, Tavira e São Brás de Alportel, afirmou Luís Gomes, em declarações à Agência Lusa.

O presidente da Comissão Política distrital do PSD do Algarve disse que o Governo “demonstrou a sua disponibilidade para pôr em prática medidas de mitigação dos estragos” e “se reunir na sexta-feira com os autarcas na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve e começar a implementação das medidas no terreno”.

Luís Gomes elogiou o Governo por ter recebido “em tempo recorde” os presidentes das Câmaras de Tavira e São Brás de Alportel, Jorge Botelho e António Eusébio, respetivamente.

O fogo deflagrou no dia 18 e só foi declarado como dominado no sábado, tendo consumido uma área estimada de cerca de 22 mil hectares e causado perdas totais entre populações da serra algarvia, que viram sobreiros, cortiça, colmeias, mel e algumas habitações serem destruídos à sua passagem.

Entre outras medidas, o PS pretendia que fosse aprovado com carácter de urgência um apoio social, sobretudo destinado a pensionistas com baixas pensões, um programa para a reconstrução de casas destruídas, a execução de um plano de reflorestação e a criação de uma comissão interministerial para acelerar a concretização das medidas.

Esta última medida "já foi posta em prática pelo Governo”, com uma comissão interministerial coordenada pelo ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares, que junta nove secretarias de Estado, frisou Luís Gomes.

Na comissão, coordenada por Miguel Relvas, estão as secretarias de Estado da Administração Interna, Administração Local e Reforma Administrativa, Economia e Desenvolvimento Regional, Turismo, Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Solidariedade e Segurança Social, Ambiente e Ordenamento do Território, e Orçamento.

Lusa

Pub