Inicio | Política | Líder do PS/Algarve considera “prematuro” falar de atrasos na construção de novo hospital

Líder do PS/Algarve considera “prematuro” falar de atrasos na construção de novo hospital

Em causa está o valor das propostas apresentadas em concurso público para a construção da estrutura, que violam em mais de 100 milhões de euros o limite de 260 milhões que foi determinado pelo Estado.

Os valores contidos nas duas propostas apresentadas (Teixeira Duarte, com 372 milhões, e Ferrovial, com 410 milhões) terão que baixar ou terá que ser lançado novo concurso, já que o Governo diz que não adjudicará a obra acima do comparador público.

O presidente da Câmara de Faro, Macário Correia, já manifestou, em declarações à Lusa, a sua preocupação pelo facto de a violação do limite definido pelo Estado poder atrasar todo o processo e a própria obra.

Em comunicado, o socialista Miguel Freitas diz não querer tirar conclusões "precipitadas" relativamente ao concurso para a construção da unidade e afirma que a negociação, que considera "difícil", não deve ser condicionada.

O também deputado algarvio sublinha ainda que os concorrentes só agora conhecem o teor das propostas e que "ainda há muitos lances a jogar", pelo que, sendo esta uma fase crucial do processo, é preciso acreditar que as negociações chegarão a bom termo.

"Do que conheço não há nada de absolutamente anormal nem de absolutamente inultrapassável relativamente a este processo e portanto não se pode tirar ilações precipitadas", frisou Miguel Freitas, apelando à "confiança nas partes".

O líder do PS/Algarve solicitou mesmo uma reunião ao Governo, que terá lugar na próxima sexta-feira, para se inteirar de todos os aspectos relacionados com o processo, conclui o PS/Algarve em comunicado.

O futuro Hospital Central do Algarve servirá uma população de cerca de 800 mil habitantes (o dobro da população algarvia), contando com a afluência sazonal de turistas.

A nova unidade deverá ter 524 camas para internamento e um bloco operatório com 10 salas, sendo que a área de consulta externa terá 66 gabinetes, onde se poderão realizar anualmente cerca de 220 mil consultas.

Verifique também

Ministra diz que não há falta de médicos nos hospitais do Algarve e Coimbra

A ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou hoje que não há falta de médicos nos …