Breves
Inicio | Ambiente | LPN critica construção ilegal de heliporto na Culatra mas moradores dizem que permite salvar vidas

LPN critica construção ilegal de heliporto na Culatra mas moradores dizem que permite salvar vidas

Construcao_heliporto_culatraA Liga para a Proteção da Natureza (LPN) criticou hoje a construção de um heliporto na Culatra, que considera ser ilegal, mas a associação de moradores da ilha da ria Formosa, responsável pela obra, defendeu que permitirá salvar vidas.

Os ambientalistas responsabilizaram, em comunicado, a associação de moradores da ilha pelo avanço de uma obra “ilegal” para “concretização das suas vontades”, e um conjunto de entidades oficiais, por “terem permitido a conclusão de uma placa de betão armado”, destinada à instalação de um heliporto, sem licença ou autorização.

Em declarações à agência Lusa, a dirigente da Associação de Moradores da Culatra, Sílvia Padinha, argumentou que a obra criou condições de segurança para a aterragem de helicópteros pesados Kamov – utilizados para transportes de emergência médica -, permitindo rapidez na resposta em caso de necessidade de socorro a residentes, mas também a visitantes.

“Nem Câmara Municipal de Faro, nem Parque Natural da Ria Formosa, nem Agência Portuguesa do Ambiente, nem capitanias, nem o Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC), ninguém viu o que ali se estava a passar? Ou houve ordens para que ninguém visse?”, questionou a LPN em comunicado.

Os ambientalistas consideram ainda que, “se à comunidade da Ilha da Culatra é permitida a concretização das suas vontades, no mais puro e gratuito desprezo pela legislação vigente, pelos instrumentos de gestão territorial e pelas entidades que devem zelar pela sua aplicação, então todos os cidadãos têm o legítimo direito de aspirar ao mesmo”.

Segundo Sílvia Padinha, o socorro a uma pessoa na ilha por barco ou ambulância pode demorar “mais de uma hora” e, de helicóptero, o tempo de resposta “é de sete minutos”. Além disso, acrescentou, o único barco ambulância que servia a zona está avariado e “há muito tempo” que não é utilizado.

“Como as licenças não estão a ser passadas devido a esta burocracia toda e ao atraso no projeto de requalificação da ilha [no âmbito da Sociedade Polis Litoral da Ria Formosa], a população não pode ficar uma vida inteira à espera e decidiu avançar para a construção da placa para o heliporto”, afirmou.

Aquela responsável frisou que o custo foi repartido pela comunidade e algumas empresas e que a estrutura, que considera que “respeita os valores naturais”, tem as especificações exigidas para os helicópteros Kamov operarem em segurança.

A dirigente da associação de moradores defendeu ainda que a LPN deveria ser mais sensível “ao isolamento da comunidade” e ao facto de “o helicóptero poder salvar vidas” ao conseguir aterrar na ilha, uma vez que a obra foi feita em zona classificada como sendo urbana.

“Gostava de ver a LPN preocupada com as descargas [de esgotos] para a ria sem qualquer tratamento, preocupada com a área de produção aquícola, que foi construída muito à entrada da ria e põe em risco a comunidade piscatória, que são também questões ambientais”, disse Sílvia Padinha.

Verifique também

Parlamento recomenda medidas de proteção das espécies de cavalos-marinhos da Ria Formosa

O parlamento aprovou hoje, por unanimidade, um texto de substituição para a implementação de medidas …