Pub

Para o jogador, que falava à BenficaTV, todas as equipas "tem algo mais para dar" nos jogos com os "encarnados", motivados pela "grandeza do clube".

Luisão disse ainda que a equipa "está habituada a jogar com equipas fechadas", que procuram "sempre o contra-ataque", mas adiantou que os jogadores "trabalham todas as vertentes do jogo para estarem preparados".

Para o defesa central, os jogadores "não olham aos nomes e muito menos à colocação dos adversários na tabela", assegurando que o Benfica "respeita todos os adversários e prepara-se com humildade para vencer".

Luisão, numa referência ao sorteio do mundial2010 na África do Sul que emparelhou as selecções brasileira e portuguesa no mesmo grupo, confirmou que o assunto "tem sido falado entre os jogadores" no balneário e disse estar "a torcer pelo Brasil em primeiro e Portugal em segundo".

O jogador, ausente dos relvados durante cerca de um mês devido a uma intervenção cirúrgica ao apêndice, reconheceu que no jogo com a Académica ainda não estava a 100 por cento, que precisa de ganhar mais ritmo, mas que "o importante foi ajudar a equipa a ganhar e a não sofrer golos".

Disse ainda que "o pior para um jogador é ficar de fora", já que "todos querem ajudar o clube e os companheiros".

"Sofre-se dentro do campo, mas sofre-se o dobro quando se está de fora", afirmou.

Depois de admitir que no início da época "não esperava ver o Benfica marcar tantos golos", Luisão considerou que ser "companheiro de Saviola é prestigiante", classificando como "excelente golo" aquele que o argentino apontou frente à Académica na última jornada da liga.

Pub