Pub

"É um Governo com uma composição equilibrada e positiva e que parece ser capaz de enfrentar os desafios que temos pela frente, que são desafios de grande delicadeza. Mas parece ser, assim à primeira vista, um governo com coesão, com uma redução clara de lugares, o que garante uma melhor coordenação e eficácia", afirmou o também presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL).

Em declarações à Lusa, depois de ser conhecida a lista com os 11 ministros do Governo de coligação PSD/CDS-PP, Macário Correia também considerou como positiva a inclusão de independentes no elenco governativo, como nos casos do ministro da Saúde, Paulo Macedo, ou da Educação e Ensino Superior, Nuno Crato, entre outros.

"Acho que é positivo para criar um espírito de abertura e nem sempre as pessoas com cartão partidário são as que são dotadas de todas as qualidades. Há muitos cidadãos que não têm militância partidária ativa e têm qualidades inesgotáveis e são de grande dignidade e, portanto, deve ser tido como uma mais-valia no governo", afirmou.

O autarca, que também foi secretário de Estado do Ambiente num dos governos liderados por Cavaco Silva, disse ainda que tanto o Presidente da República como a coligação PSD/CDS-PP agiram bem ao preparar tudo de forma a que o XIX Governo Constitucional pudesse tomar posse antes do Conselho Europeu de 23 de junho.

"É um processo que tinha necessariamente que ser urgente, porque o país não pode estar tanto tempo sem governo. E aqui o Presidente da República esteve bem e a coligação esteve bem, ao organizar-se depressa e ao preparar as coisas com a devida antecedência para que logo que os resultados eleitorais estivessem preparados pudessem organizar-se e tomar posse", considerou.

Macário Correia faz, por isso, um análise "positiva" do novo governo, cuja composição disse que vai "facilitar a coordenação, é mais barata e dá mais coesão ao próprio executivo".

A composição do novo Governo foi hoje entregue pelo primeiro-ministro indigitado, Pedro Passos Coelho, ao Presidente da República, Cavaco Silva, numa reunião realizada no Palácio de Belém.

Após a reunião, Pedro Passos Coelho anunciou que a tomada de posse será na terça feira.

Lusa
Pub