Pub

"Eu acho que [o Governo] vai chegar a 2015, só que não tem muito tempo para dar a volta, fazer ‘flip flap’ e ganhar as eleições", afirmou o social-democrata aos jornalistas, sublinhando que "esse sonho [ganhar as eleições] passou".

Marcelo Rebelo de Sousa falava à margem do jantar de apresentação da candidatura de Hélder Martins (PSD) à Câmara de Loulé, que reuniu cerca de mil pessoas, enchendo o pavilhão desportivo da cidade.

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, anunciou que o Governo vai pedir o alargamento do prazo para o ajustamento financeiro, pedido que deverá ser debatido durante a próxima visita da ‘troika’ a Portugal, agendada para a próxima semana.

"Se me pergunta se esta semana ficou patente que todos os calendários políticos do Governo estão mudados e, portanto, se o Governo sonhava com ter muito tempo para dar a volta para ganhar eleições, esse sonho passou", afirmou.

O professor referiu ainda não acreditar que esteja iminente uma rutura social em Portugal, classificando os portugueses como pessoas "experientes e sensatas", cujo comportamento perante a crise tem surpreendido os especialistas.

"Nós temos que fazer um caminho, que é complicado. Expliquem-nos é o caminho. Que nós, se nos explicarem, fazemos o caminho. E suportamos, suportamos, suportamos. Mas na hora adequada apresentamos a fatura, mas isso é nas eleições legislativas", sublinhou.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, o "sonho" do Governo era de que "isto dava a volta em 2012 ou 2013" e aí teria o ano de 2014 para chegar a 2015 e ganhar, mas a realidade mudou e "2013 e 2014 vão ser difíceis".

Lusa

Pub