Pub

“Se houver portagens na A22, a tarifa a pagar terá em consideração o volume do investimento com fundos comunitários, e por isso a tarifa terá de ser menor do que no resto do país”, defendeu Mendes Bota, durante um “frente a frente”, em Faro, com o cabeça de lista do PS pelo círculo de Faro, João Soares.

Mendes Bota recordou que dois terços da Via Infante foram construídos com fundos comunitários e que, por essa razão, o volume da tarifa deve ser inferior aos oito cêntimos por quilómetro praticados no resto do país.

Feitas as contas, em vez dos oito cêntimos por quilómetro, os utilizadores da Via Infante apenas deveriam pagar três cêntimos ao quilómetro, o que somado se cifra em cerca de seis euros por todo o trajeto daquela via.

João Soares, por seu turno, acredita que as portagens no Algarve são mesmo para avançar, mas defende um “regime de isenção”.

“Eu acho que vamos ter mesmo portagens”, declarou João Soares, no frente a frente, que decorreu no auditório da Escola de Hotelaria e Turismo, em Faro, sublinhado que o PS se bate por um regime de isenções, nomeadamente para residentes e comerciantes.

O frente a frente ficou marcado por várias trocas de mimos entre Mendes Bota (PSD) e João Soares (PS).

Se por um lado Mendes Bota ironizava que no Algarve já não “havia uma única vaca leiteira” desde que José Sócrates havia desmantelado o matadouro regional, João Soares contra atacava e acusava o antigo primeiro ministro Cavaco silva de ser um dos “responsáveis pelo desmantelamento da frota pesqueira” no Algarve.

Em matéria de desemprego no Algarve, Mendes Bota argumentou, por seu turno, que o responsável por 38 mil desempregados na região foi “José Sócrates” e recordou que quando o primeiro ministro entrou para o Governo o número de desempregados rondava os “15 mil desempregados”.

João Soares ripostou e recordou que foi Sócrates que se “bateu pela criação da Águas do Algarve e pela Barragem de Odelouca”.

Mendes Bota e João Soares estão em sintonia sobre quanto à criação piloto da região piloto do Algarve.

João Soares declarou mesmo no debate que estará disponível para assinar um “papel para que o Algarve seja uma região piloto em matéria de regionalização”.

Lusa
Pub