Pub

ministro_ambiente_vila_bispoO ministro do Ambiente afirmou na terça-feira que o processo das demolições de casas na ria Formosa  “está a ser analisado e será ajustado” de forma a salvaguardar as casas de primeira habitação.

“O processo de requalificação e renaturalização está a decorrer, e as casas que são de primeira habitação estão salvaguardadas”, disse João Pedro Fernandes, após uma reunião, em Sagres, com os representantes dos moradores dos núcleos habitacionais de Hangares e do Farol, na ria Formosa.

O ministro do Ambiente foi recebido junto à Fortaleza do Beliche, em Sagres, por dezenas de moradores das ilhas, que protestavam contra o processo de demolições.

João Pedro Fernandes falou com dois representantes dos moradores dos Hangares e do Farol antes de iniciar a visita ao Festival de Observação de Aves de Vila do Bispo.

De acordo com Vanessa Morgado, da associação de moradores do Farol, a reunião com o ministro “foi produtiva, registando-se uma evolução no diálogo em relação às pretensões dos moradores, o que acontece pela primeira vez desde o início do processo de renaturalização das ilhas barreira”.

“O senhor ministro garantiu-nos que irão ser feitos ajustes no processo, bem como a salvaguarda das casas de primeira habitação, independentemente da faixa estabelecida”, sublinhou Vanessa Morgado.

Por seu turno, o presidente da associação de moradores dos Hangares, José Levezinho, manifestou-se “meio satisfeito com a resposta do ministro, porque as pessoas receberam as notificações para abandonarem as casas até 26 de outubro, estando prevista a demolição de 81 casas ilegais naqueles dois núcleos habitacionais”.

“Foi a primeira vez que fomos ouvidos pelo Governo neste processo e vamos acreditar naquilo que o senhor ministro nos disse, de que o assunto não estava encerrado”, frisou José Levezinho.

Em setembro, em comissão parlamentar, João Matos Fernandes reafirmou que iriam ser demolidas casas na ria Formosa, mas recusou-se a avançar com datas, dizendo aos deputados que estava a ser feita uma análise “caso a caso”.

Dias depois, uma entrevista a governante publicada no Diário de Notícias dava conta de que iriam avançar as demolições de 81 construções na ilha da Culatra, 60 das quais até ao final de outubro.

A ilha é composta por três núcleos – Culatra, Farol e Hangares – e a gestão administrativa é da responsabilidade da Câmara de Faro.

O ministro do Ambiente visitou na terça-feira o Festival de Observação de Aves, em Sagres, no concelho de Vila do Bispo, onde devolveu à natureza uma das duas águias (uma águia-de-asa-redonda e outra da espécie águia-calçada) que se encontravam em cativeiro.

As aves foram apreendidas por vigilantes da natureza, em abril e junho deste ano.

Organizado pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), o festival de observação de aves é o maior evento de ‘birdwatching’ que tem lugar em Portugal, sendo Sagres, no concelho de Vila do Bispo, um dos mais importantes corredores de aves migratórias que nesta altura do ano rumam a África.

Durante os seis dias do evento, serão realizadas cerca de 300 atividades, entre as quais saídas de campo, minicursos temáticos, palestras, ações de educação ambiental e sessões de anilhagem.

Pub