Inicio | Cultura | Monchique recebe ano novo com artes circenses

Monchique recebe ano novo com artes circenses

Um espetáculo que retrata o quotidiano da sociedade através das artes circenses é o que propõe a Vila de Monchique para a noite de passagem de ano, numa tenda de circo instalada no heliporto local.

“É uma festa/espetáculo diferente do que é habitual, essencialmente dirigido às famílias, onde não faltará também a música tradicional e a animação no exterior”, disse à Lusa o presidente da Câmara de Monchique, Rui André.

De acordo com o autarca, o objetivo é proporcionar um programa diferenciado e que, “além da animação e música, as pessoas possam ficar a conhecer um pouco das tradições e da cultura do concelho”.

O espetáculo “Agora ou Nunca”, que dará as boas-vindas ao novo ano, está integrado no projeto Lavrar o Mar, do programa cultural “365 Algarve”, e é apresentado por “Chelptel Aleikoum, Circa Tsuica”, um grupo de novo circo francês composto por doze artistas, músicos e acrobatas, que retratam a vivência da sociedade através das artes circenses.

O espetáculo tem início às 21:00, decorrendo até à meia-noite no interior de uma tradicional tenda de circo, com 670 metros quadrados, estendendo-se depois para o exterior, onde será feita a despedida de 2016 e celebrada a entrada no novo ano.

Em declarações à agência Lusa, o diretor artístico do projeto Lavrar o Mar, Giacomo Scalisi, disse que o espetáculo reflete “um olhar sobre a sociedade, numa viagem que liga as pessoas ao quotidiano através do humor, das acrobacias e da música”.

“É um espetáculo que retrata temas atuais, alegre e de circo festivo, que convida as famílias de todas as nacionalidades a celebrarem juntas a viagem do ano”, observou.

Segundo Giacomo Scalisi, o espetáculo é concretizado por diferentes grupos da escola do novo circo, “pessoas que estiveram ligadas a circos convencionais, e que se juntaram nesta nova forma de fazer circo”.

Formado em 2004, o Chelptel Aleikoum, Circa Tsuica é um grupo criativo “que procura, de uma forma original e peculiar, referenciar a sociedade em que vivemos”.

Os bilhetes para o espetáculo no interior da tenda têm um custo de cinco euros para adultos e de 2,5 euros para crianças até aos 12 anos, sendo gratuito o acesso a partir da meia-noite do dia 31 de dezembro.

Verifique também

“Eu não tenho nada (…) eu não devo nada”

Encarar uma situação má na nossa vida com sentido de humor, normalmente só acontece passado …